A inteligência artificial está perto de seu ponto de inflexão no Direito?

Em recente artigo publicado na Forbes, Mori Kabiri afirmou que os próximos dois anos serão decisivos para a adoção de inteligência artificial (IA) no setor jurídico. Conforme o CEO da Counself, estamos próximos de um ponto de inflexão, momento no qual os profissionais da área terão a oportunidade de vislumbrar o real poder da IA.

Ponto de inflexão da inteligência artificial

As técnicas de IA vêm expandindo cada vez mais, levando empresas como a Gartner a falar em uma “nova geração” da IA, a chamada Inteligência Aumentada. Uma pesquisa da líder em consultoria sustenta que a IA vai gerar, ao redor do mundo, US$ 2,9 trilhões de valor comercial e 6,2 bilhões de horas de produtividade. Tudo, aliás, até o final de 2021.

Ao contrário do que se poderia pensar, a pandemia não restringiu os avanços da IA. Pelo contrário: acelerou ainda mais a adoção, especialmente no setor jurídico. Tal contexto, em síntese, incentivou Mori Kabiri a prever que os próximos dois anos vão ser determinantes e vão oferecer aos profissionais do Direito novas perspectivas de atuação.

ponto de inflexão 01
Kabiri não acredita num cenário apocalíptico

Os algoritmos de IA não vão substituir os advogados

Kabiri não acredita num cenário apocalíptico, como aqueles retratados nos cinemas. Conforme ele, os algoritmos de IA não vão substituir os advogados, mas melhor equipá-los. Em suma, tarefas rotineiras e repetitivas serão automatizadas, para que os profissionais da advocacia se concentrem em tarefas que demandem criatividade e inteligência.

O CEO da Counself conclui que os avanços da tecnologia são inevitáveis e contínuos. O setor jurídico resistiu por décadas, mas não conseguirá mais se manter alheio às mudanças; especialmente com a nova geração de advogados millennials entrando no mercado de trabalho. E AI, com sua versão aumentada, poderá revolucionar a prática jurídica:

Os próximos dois anos podem ser um ponto de inflexão para a adoção de IA. – Mori Kabiri (CEO da Counself)


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Projeto de lei insere proteção de dados neurais na LGPD

Próximo

Entidades que representam a advocacia na Europa criticam as audiências remotas