Advogado usa drone em processo de divisão de terras

Um advogado de Santa Catarina usou um drone em um processo de divisão de terras. O profissional defendeu os direitos de uma proprietária de uma plantação de árvores em Correia Pinto (SC). Embora a propriedade tivesse sido reconhecida em processo anterior de divórcio, há anos a cliente não recebia a sua parte da exploração (corte e venda).

As árvores estavam sendo cortadas e vendidas sem que a cliente recebesse por isso. Para embasar a defesa da cliente, então, o profissional – Marcelo Miranda – utilizou um drone para estudar o local. Com a ajuda do drone, o advogado realizou um processo de geomapeamento da plantação, para contabilizar o número de árvores ainda plantadas.

Conforme o advogado,

Inicialmente formulei um pedido para suspender a exploração, mas a juíza entendeu que não existiam elementos suficientes de prova, porque o cônjuge era dono de metade do terreno. Foi quando decidi usar o drone para fazer a contagem da quantidade existente e resguardar a cota-parte da nossa cliente (50% do ainda plantado). – Marcelo Miranda (advogado)

Drone em processo de divisão de terras

Esta primeira imagem registra a extensão da área (73,52 hectares) e delimita a “metade” da área pela linha vermelha (divisão):

drone 01

Esta segunda imagem apresenta a área da contagem, sendo dividida em partes (talhões) para delimitar a contagem. A área de plantação existente recebeu a marcação vermelha para facilitar a visualização do juiz:

drone 02

É provável que você goste:

O que os advogados podem aprender com os engenheiros

Já esta terceira imagem apresenta o restante da terra discutida. Parte dela foi vendida para o aeroporto local. Assim sendo, a terra ficou dividida em duas partes:

O processo ainda esta em tramitação em Correia Pinto (SC), aguardando decisão sobre a cota-parte. No entanto, graças à produção de prova de forma antecipada, com o uso do drone, o advogado está conseguindo reduzir os prejuízos que sua cliente sofreu até hoje. De acordo com o profissional atuante no caso, Marcelo Miranda,

Ainda estamos com o processo em curso, mas, graças à produção dessa prova, estamos garantindo ao menos a parte que ainda existe no terreno. – Marcelo Miranda (advogado)


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

2 cursos gratuitos para aprender sobre linguagem simples

Próximo

Fotorrealismo leva a produção de prova judicial ao próximo nível