Advogado utiliza animação 3D para absolver seu cliente

Um advogado criminalista recentemente utilizou animação 3D para absolver seu cliente num processo criminal. Rodrigo Urbanski contratou uma empresa especializada para elaborar a reconstituição dos fatos, apresentando o material em juízo. A abordagem surtiu efeito, e o juiz do caso, ao analisar o recurso visual apresentado, absolveu o réu.

Entendendo o caso

Em julho de 2020, ocorreu um roubo numa lanchonete na cidade de Itararé (SP). De acordo com as investigações, o crime foi cometido por dois indivíduos. Em sede judicial, as vítimas apenas descreveram a altura dos criminosos, apontando um deles como um sujeito mais alto e outro como um sujeito mais baixo, sem relatar mais detalhes.

Atuando na defesa de um dos acusados, o advogado Rodrigo ficou surpreso com as declarações das vítimas. Isso porque seu cliente possuía tatuagens bastante perceptíveis na testa, no pescoço, nas mãos e nas pernas. Se seu cliente fosse um dos autores do crime, alguma vítima teria dito algo sobre as tatuagens. Mas não foi o que aconteceu.

O profissional requereu então a realização de reconhecimento pessoal, nos termos do art. 226, do Código de Processo Penal (CPP), mas o pedido não foi atendido pelo magistrado. Inconformado com a decisão do juiz, o criminalista Rodrigo Urbanski decidiu contratar uma empresa especializada em animação 3D para reconstituir o crime.

Animação 3D em processo criminal

Com o recurso, o advogado pretendia ilustrar o fato por vários ângulos, provando que seria impossível ninguém ter percebido as tatuagens. A abordagem surtiu efeito, e o juiz absolveu o cliente, afirmando que as vítimas nada mencionaram sobre tais características. Veja, em síntese, alguns frames que foram juntados aos autos pelo advogado:

animação 3D 01
Crédito: View 3D Studio

animação 3D 02
Crédito: View 3D Studio

É provável que você goste:

Advogados apostam na animação 3D para convencer os jurados

Crédito: View 3D Studio

Crédito: View 3D Studio

Como conclui o criminalista,

Um dos acusados possuía algumas particularidades: tatuagens na testa, no pescoço, nas mãos e nas pernas. E nenhuma das vítimas citou essas características. Seria impossível não ver, por exemplo, as mãos, o pescoço e a testa tatuada a menos de meio metro de distância. O trabalho realizado pelo View 3D Studio deu, assim, suporto fático e jurídico para a tese de defesa sustentada desde a prisão em flagrante – Rodrigo Urbanski


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Socialaw busca conectar os profissionais mais inovadores do mercado jurídico

Próximo

Playtest: como funciona a Socialaw