AdvogadoJá conecta clientes e advogados em tempo real

Continuo hoje a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs brasileiras. Na entrevista de hoje, recebi a AdvogadoJá. Em síntese, é uma plataforma que oferece conexão direta entre clientes e advogados em tempo real por geolocalização, proporcionando novos negócios aos profissionais cadastrados em seu aplicativo.

Sendo assim, conheça a seguir mais detalhes da startup:

advogadojá 01

1. Em primeiro lugar, como surgiu a AdvogadoJá?

Da iniciativa de dois advogados Luciano e Alexandre. O primeiro foi o idealizador de um aplicativo que possibilitasse a conexão entre clientes e advogados; o segundo aderiu de imediato à ideia e trouxe um amigo, Anderson, bacharel em direito e serventuário da justiça. Juntos, uniram forças e ideias para o desenvolvimento do projeto.

A percepção empírica desses advogados em relação às dificuldades enfrentadas pela classe poderiam ser solucionadas através da irrevogável automação das relações sociais, o movimento tecnológico que altera as estruturas comportamentais, podendo ser utilizado para viabilizar maior acesso à justiça e, ao mesmo tempo, proporcionar mais trabalho aos advogados.

2. Em resumo, quais são os serviços oferecidos pela startup?

A AdvogadoJá é uma plataforma que conecta clientes potenciais com uma equipe de advogados cadastrados no aplicativo. Os advogados têm o benefício de trabalhar quando quiserem e estiverem livres, acionando o módulo online para atender consultas e chamadas pelo aplicativo.

Os clientes têm acesso a suporte jurídico 24 horas, sete dias por semana, para fazer contatos em situação de emergência e de consultoria dentro da listagem de advogados disponíveis no aplicativo no momento da necessidade. Com a possibilidade de efetuar o pagamento através de cartão de crédito, inclusive parceladamente, pelo próprio aplicativo, dando segurança e agilidade ao atendimento.

A busca pelo profissional é feita por geolocalização em tempo real. Verificando os dados do profissional, o cliente escolhe um advogado dentre os disponíveis. A possibilidade da geolocalização é uma ferramenta que pode socorrer ao cliente em situações de emergência ou pela simples comodidade que a proximidade com o profissional proporciona.

É provável que você também goste:

Como o Visual Law pode revolucionar a forma de peticionar em juízo

3. Qual o diferencial da AdvogadoJá em relação às demais startups classificadas como “rede de profissionais” pela AB2L?

As lawtechs categorizadas pela AB2L guardam pouca semelhança com a proposta da AdvogadoJá, que é mais atrelado ao papel do advogado na sociedade e não nos processos em si, dando enfoque ao seu múnus publicum e a sua indispensabilidade à administração da justiça.

A autonomia do profissional em contato direto com a parte torna o exercício da advocacia mais dinâmico e efetivo, por ser em tempo real, sem intermediários, com a opção da escolha imediata tanto do cliente em relação ao profissional, quanto do profissional em relação ao cliente e suas causas.

O advogado cadastrado ainda escolhe o horário mais propício para trabalhar, e o cliente, por sua vez, também tem a possibilidade de efetuar o pagamento (no cartão, à vista ou parcelado) diretamente ao profissional.

4. Aliás, a AdvogadoJá tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Sim, claro! Por ser disruptivo, no momento que atua num mercado historicamente engessado pela burocracia e excesso de formalidades, uma ferramenta nova, de livre acesso, utilizando a tecnologia para facilitar as rotinas jurídicas, reformular padrões estruturados em métodos reconhecidamente obsoletos, e, no caso da AdvogadoJá especificamente, possibilitar a democratização ao acesso à lei e a justiça. Portanto, certamente é um Propósito Transformador Massivo.

5. Quem são as pessoas por trás da startup?

Um grupo de advogados atuantes, interessados na evolução das leis e no desenvolvimento da justiça, com visões diferentes, muitas vezes conflitantes, porém altamente produtivas. Têm em comum a crença na força do direito como viabilizador do consenso, da veracidade, da equidade e da paz social.

Também atentos aos avanços tecnológicos transformadores de hábitos e comportamentos, transportaram este movimento natural ao cotidiano da profissão buscando facilitar a vida de clientes e causídicos. Com essa ideia na cabeça buscaram parceria com a aceleradora FINXI no desenvolvimento do projeto.

É provável que você também goste:

Conheça LinkLei, a rede social para advogados

6. Enfim, quais são os planos da AdvogadoJá para os próximos anos?

Avançar de forma escalável e estabelecer-se como uma ferramenta inovadora, de fácil acesso e manuseio, de amplitude imediata (por ser geolocalizadora) que leve a uma parte significativa da sociedade acesso à justiça, equilibrando de forma efetiva a contradição de se ter uma demanda reprimida, onde o cidadão passa por um aumento gradativo de obrigações ao tempo que não consegue exercer suas prerrogativas com a mesma fluidez, e, por um outro lado, um contingente de profissionais preparados para atuar na defesa desses indivíduos com dificuldades no exercício dos seus direitos.

Portanto, convidamos a todos os advogados a virem visitar o aplicativo e, quem sabe, unir-se a essa grande causa.

Lawtechs e legaltechs

Em resumo, lawtechs e legaltechs são startups que criam produtos e serviços de base tecnológica para melhorar o setor jurídico. De acordo com a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), o Brasil conta diversas categorias de produtos e serviços. Só para ilustrar alguns: resolução de conflitos online, redes de profissionais e jurimetria.

Sendo assim, vamos continuar explorando cada uma dessas soluções nas próximas entrevistas. Até breve!


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Como o Visual Law pode revolucionar a forma de peticionar em juízo

Próximo

Conheça 3 habilidades essenciais do advogado do futuro