Advogados do futuro deverão ser também consultores de negócios

Os advogados do futuro deverão oferecer mais do que aconselhamento jurídico, atuando também como consultores de negócios. A declaração, ecoada na voz de duas especialistas, sinaliza que os profissionais da advocacia precisam desenvolver o tino para novos negócios e ter amplo conhecimento sobre o mercado no qual seus clientes atuam.

Conforme Kate Marshall, head do escritório de advocacia alemão KPMG Law, quanto mais o advogado entender os negócios de seus clientes, melhor estará preparado para aconselhá-los. De acordo com a especialista, embora saber identificar e gerenciar riscos seja relevante, tal atividade precisa ocorrer no contextos dos negócios e das transações:

Quanto mais você entender sobre os negócios do seu cliente, melhor será sua posição para apoiá-lo. – Kate Marshall

É provável que você goste:

Profissões do futuro: tecnólogos jurídicos e engenheiros de conhecimento jurídico

Os advogados do futuro deverão ser também consultores de negócios

Para Louise Hvala, CEO da empresa australiana Gatehouse Legal Recruitment, os clientes querem mais do que apenas uma interpretação legislativa ou um contrato bem elaborado. Conforme a especialista, que lida diariamente com recrutamento jurídico, as empresas estão demandando cada vez mais advogados que também atuem como consultores de negócios:

[As empresas] querem se envolver e trabalhar com advogados especializados que tenham um entendimento profundo de seu ambiente de negócios, que entendam os desafios e riscos com os quais lidam e possam orientar os negócios a tomar decisões melhores e mais rápidas. – Louise Hvala

advogados do futuro 01
Os advogados do futuro deverão oferecer mais do que aconselhamento jurídico

Ainda de acordo com Louise Hvala, entre as principais habilidades exigidas pelas empresas estão: pensamento crítico, vendas e marketing, e perspicácia nos negócios. Além disso, são igualmente importantes: liderança, inteligência emocional, gerenciamento de projetos, negociação, trabalho em equipe e capacidade de resolução de problemas.

Enfim, como conclui a especialista,

Em última análise, ter um conjunto de conhecimentos e habilidades de negócios será a chave para o sucesso do advogado do futuro. – Louise Hvala


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Plataforma britânica permite que advogados se expressem de forma visual

Próximo

Open Lawyer é a primeira plataforma open source jurídica para startups