Analistas de processos judiciais: quem são esses profissionais?

Em seu livro Tomorrow’s Lawyers (2013), Richard Susskind sustenta que os advogados terão um papel menor na sociedade nos próximos anos, pois não serão tão essenciais como hoje. Isso não significa, contudo, o fim da advocacia ou mesmo dos advogados. Significa que existirão novos formatos de serviços jurídicos e novas funções para os profissionais. É nesse contexto que se inserem os analistas de processos judiciais.

Análise rigorosa de processos judiciais

Os analistas de processos judiciais serão profissionais essenciais no futuro. Eles terão espaço em escritórios de advocacia, mas, sobretudo, em departamentos jurídicos de empresas e organizações. Em mundo com cada vez mais dados e informações – que originam novas soluções, mas também problemas jurídicos –, caberá a esses profissionais realizar análises confiáveis, perspicazes e rigorosas dos processos judiciais.

Aliás, os legal process analysts não apenas analisam os processos judiciais, como subdividem os documentos para que demais membros da equipe consigam acessá-los depois – com facilidade e rapidez. Em suma, esses profissionais catalogam os documentos contidos nos autos em partes gerenciáveis e significativas. Ou seja, separam tudo em fragmentos que façam sentido mesmo quando lidos individualmente.

Decomposição de documentos jurídicos

Só para ilustrar: o procedimento de decomposição é bastante trabalhoso. Para tornar os documentos gerenciáveis, é preciso digitizá-los (do físico para o digital) e armazená-los em nuvem. Assim, os demais profissionais conseguem acessá-los de qualquer lugar. Já para tornar os documentos significativos, é preciso sintetizá-los e inserir palavras-chave (keywords), para que possam ser facilmente encontrados e compreendidos.

analistas de processos judiciais 01
O procedimento de decomposição é bastante trabalhoso

Em departamentos jurídicos de empresas, os analistas de processos judiciais são também responsáveis por identificar quais profissionais são mais aptos a realizar os serviços jurídicos. Ou seja, após analisar os processos e separá-los em fragmentos gerenciáveis e significativos, eles selecionam as pessoas mais aptas a desempenhar determinadas atividades. Não é uma função simples, exigindo tato, cautela e muita experiência.

Analisas de processos judiciais são profissionais do futuro

De acordo com Susskind, as faculdades de Direito estão “ensinando advogados a serem algo que eles não precisam mais ser”. Conforme o professor, elas deveriam oferecer aos estudantes a opção de estudar tendências em serviços jurídicos, nas quais se encontram os engenheiros de conhecimento jurídico e tecnólogos jurídicos. Ambos, acompanhados dos analistas de processos judiciais, formam a tríade de profissionais do futuro.

Se todas as faculdades de Direito do mundo fizessem isso, isso transformaria o mundo jurídico. – Richard Susskind


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

As 5 fases de recuperação dos escritórios de advocacia em meio à pandemia

Próximo

Como usar o método Kanban na advocacia