Ativistas desenvolvem tecnologias para reconhecer policiais que escondem suas identidades

Um número crescente de ativistas ao redor do mundo tem investido no desenvolvimento de ferramentas de inteligência artificial capazes de reconhecer policiais que escondem suas identidades, em especial durante manifestações. O verdadeiro desafio, no entanto, é encontrar imagens suficientes dos agentes de polícia para treinar os algoritmos.

Policiais escondem suas identidades em protestos e manifestações

Muitos policiais cobrem o rosto, no todo ou em parte, durante protestos, como forma de evitar a responsabilização (cível e criminal) por eventuais excessos praticados contra os manifestantes. Com relativa frequência, agentes de polícia ao redor do mundo também removem seus crachás de identificação, para que não sejam reconhecidos pelo público.

ativistas 01
Muitos policiais cobrem o rosto, no todo ou em parte, durante protestos

Ativistas como Christopher Howell estão criando ferramentas para reconhecer policiais que escondem suas identidades. Howell, aliás, está envolvido no desenvolvimento de reconhecimento facial para ser usado em agentes de polícia em Portland. Os policiais da maior cidade do estado do Oregon (EUA) não estão mais se identificando para o público:

Há muita força excessiva aqui em Portland. [Precisamos] saber quem são os oficiais. – Christopher Howell

Há alguns anos, enquanto participava de um protesto, Howell teve seus olhos cobertos de gás lacrimogêneo. O policial que utilizou a substância havia coberto o rosto e escondido seu crachá de identificação. Desde que o episódio ocorreu, Howell começou a pesquisar como construir uma ferramenta para reconhecer policiais em tais situações.

Ativistas apostam em reconhecimento facial

Criar ferramentas para identificar os policiais não é, contudo, tarefa simples. O desafio é encontrar imagens suficientes dos agentes de polícia locais para treinar os algoritmos. Iniciativas como a do artista Paolo Cirio, que reuniu milhares de fotos de policiais franceses numa exposição, serão essenciais para o desenvolvimento de tais ferramentas.

Cirio reuniu rostos de policiais durante a exposição “Capture”

É provável que você goste:

Reconhecimento facial de pessoas com máscaras preocupa especialistas

Mesmo tendo sido advertido pelo governo francês, Paolo prosseguiu com a exposição. Em síntese, “Capture” reuniu rostos de milhares de policiais que participaram de recentes protestos no país. O artista, que não aceita ser censurado, acredita que a iniciativa é o primeiro passo no desenvolvimento de um aplicativo de reconhecimento facial:

É infantil tentar me impedir, como um artista que está tentando levantar o problema, em vez de abordar o problema em si. – Paolo Cirio

Somada às iniciativas, o bielorrusso Andrew Maximov está produzindo um software para reconhecer policiais que escondem suas identidades. O programador divulgou, aliás, um vídeo no qual apresenta o potencial da tecnologia. Embora ainda em desenvolvimento, a ferramenta já é capaz de reconhecer policiais mesmo usando balaclavas:


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Legaltechs latino-americanas apostam em escritórios de advocacia e departamentos jurídicos

Próximo

Mercado de tecnologia jurídica cresce na América Latina