Clientes estão exigindo que advogados usem Visual Law

Recente pesquisa conduzida pela Wolters Kluwer revelou que os clientes estão exigindo que os escritórios de advocacia descrevam quais tecnologias estão adotando para aumentar a produtividade e a eficiência. Conforme o levantamento, empresas e organizações passaram a demandar mais dos profissionais de advocacia no mundo pós-pandemia.

Nos EUA e na Europa, empresas estão repensando suas relações contratuais com bancas que não atendem tais critérios de avaliação. Se, antes da pandemia, não adotar novas tecnologias no ambiente de trabalho era algo visto como aceitável, o mesmo não se pode dizer agora. Aos olhos dos clientes, não é possível permanecer com as práticas de antes.

Clientes exigem técnicas de Visual Law

Embora a pesquisa ilustre a realidade estadunidense e europeia, advogados brasileiros já estão sentindo tal nível de exigência. Os profissionais estão sendo demandados em relação à adoção de novas tecnologias. Além disso, estão sendo cobrados quanto ao uso de Visual Law em documentos jurídicos, como petições, contratos e termos de uso.

clientes 01
Os clientes estão cada vez mais exigentes

É provável que você goste:

Tecnologia ajuda escritórios de advocacia a melhorar a qualidade dos serviços

Em recente reunião que tive com dois escritórios de advocacia, um do sudeste e outro do centro-oeste, os profissionais relataram que seus clientes estão exigindo tais técnicas. Um dos advogados contou que recebeu e-mail no qual o cliente solicitava a “utilização de ferramentas de Visual Law que possibilitem peças mais enxutas e teses mais claras”.

Já outro profissional comunicou que, durante a reunião com um cliente mensalista, foi indagado sobre os esforços do escritório para aprimorar os documentos. Em síntese, o cliente desejava saber se, à semelhança de outras bancas, os profissionais estavam estudando as técnicas de Visual Law para tornar as petições mais claras aos magistrados.

Novos tempos para a advocacia

Mais cedo ou mais tarde, advogados que ainda resistem à inovação e à tecnologia começarão a ser demandados por seus clientes. Soluções baseadas nos conceitos da jurimetria, para auxiliar na tomada de decisões, e técnicas para aprimorar a redação dos documentos jurídicos serão cada vez mais exigidas. São novos tempos para a advocacia.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Júri do caso Kiss terá animação 3D e tour virtual 360º

Próximo

Escritório de advocacia inaugura sede no metaverso