Como a inteligência artificial está ajudando os departamentos jurídicos

Os departamentos jurídicos estão apostando em ferramentas de inteligência artificial (IA) para reduzir custos, aumentar a produtividade, desenvolver estratégias baseadas em dados e avaliar riscos. Soluções tecnológicas baseadas em machine learning e processamento de linguagem natural (PNL) prometem ser verdadeiras aliadas dos profissionais.

IA está ajudando os departamentos jurídicos

Conheça quais tarefas dos departamentos jurídicas estão sendo transformadas pela IA:

1. Revisão de contratos

A revisão de contratos é, em suma, uma tarefa que demanda quantidade significativa de tempo dos departamentos jurídicos. Embora as ferramentas de IA disponíveis no mercado não substituam os profissionais nessa atividade, elas são capazes de analisar textualmente as cláusulas contratuais para atender os objetivos dos departamentos jurídicos.

Quem redige documentos jurídicos ou escreve com frequência sabe que, em dado momento, nossa vista fica cansada e “viciada”. Ou seja, não conseguimos perceber erros, mesmo lendo e relendo várias vezes o mesmo documento. Em síntese, sistemas de PNL já conseguem identificar erros que nem sempre os olhos mais atentos conseguem perceber.

O atual estágio da IA, nas mais diversas soluções existentes no mercado jurídico, oferece uma revisão mais eficiente das cláusulas contratuais. Em resumo, com ferramentas de PNL os departamentos jurídicos conseguem identificar quais termos são aceitáveis (e quais não são), além de reconhecer erros antes que os contratos sejam finalizados.

2. Monitoramento de desempenho contratual

Assinar o contrato é uma etapa importante, mas cumprir as cláusulas também o é. Um dos maiores obstáculos enfrentados pelos departamentos jurídicos é o monitoramento do desempenho contratual. O desafio é ainda maior quando os contratos envolvem grandes organizações, que lidam com relações comerciais em diferentes estados ou países.

As soluções de IA disponíveis no mercado jurídico já possibilitam monitorar o desempenho dos contratos, verificando se os termos acordados estão sendo cumpridos. Só para ilustrar: ferramentas de PNL extraem e conceituam termos-chave de contratos e comparam esses termos com as métricas definidas pelos departamentos jurídicos.

departamentos jurídicos 01
Os departamentos jurídicos estão apostando em soluções de IA

É provável que você goste:

Inteligência artificial está redefinindo o papel dos advogados, sugere relatório

3. Pesquisa de jurisprudência

A IA está ajudando os departamentos jurídicos ao redor do mundo na pesquisa de jurisprudência. Hoje em dia, soluções tecnológicas desenvolvidas por lawtechs e legaltechs extraem informações da base de dados dos tribunais e oferecem uma pesquisa mais refinada, com mais filtros, que nem mesmo os próprios sites dos tribunais conseguem oferecer.

4. Análise preditiva

Ferramentas de IA baseadas em machine learning já são capazes de prever a probabilidade de ganhar ou perder casos judiciais. Os algoritmos estão sendo treinados para oferecer análises preditivas baseadas em precedentes relevantes e/ou decisões já publicadas. Aliás, eles ficam melhores, mais rápidos e mais assertivos a cada dia que passa.

No Brasil, com ferramentas de análise preditiva, advogados já conseguem saber quais são melhores teses judiciais para alcançar o êxito nas causas que patrocinam. Os profissionais também são capazes de descobrir quais argumentos são mais acolhidos e quais são as provas mais aceitas pelos magistrados. Enfim, tudo está ao alcance de um clique.

5. Processo de recrutamento

As ferramentas de IA estão sendo adotadas pelos departamentos jurídicos para tornar o processo de recrutamento e contratação mais eficiente. As tecnologias hoje disponíveis, aliás, resolvem desde questões mais simples, como agendar entrevistas e analisar currículos, até mais complexas, como analisar a linguagem não verbal durante as entrevistas de emprego.

Conclusão

Ainda há muita histeria em torno da IA, mas é fato que suas aplicações estão ajudando departamentos jurídicos na realização de suas atividades. À medida que a capacidade de processamento de nossos computadores aumenta e a quantidade de dados para alimentar os algoritmos se intensifica, as aplicações de IA serão ainda mais eficientes.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Enfim, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Crimes digitais crescem em ritmo alarmante durante a pandemia, revela INTERPOL

Próximo

A tecnologia vai melhorar o acesso à justiça para alguns, mas não para todos