Como facilitar a adoção de novas tecnologias nos escritórios de advocacia

Muitos escritórios de advocacia ao redor do globo já estão adotando novas tecnologias para aprimorar seus serviços jurídicos. As soluções são as mais variadas, desde softwares de acompanhamento processual até ferramentas mais avançadas de jurimetria. Mas nem sempre é fácil conscientizar e adotar a tecnologia internamente, entre os profissionais.

Stephen Allen, chefe de inovação digital do escritório da Hogan Lovells. com sede em Londres e Washington, DC., refere que os esforços de conscientização do escritório devem exigir mais do que um simples e-mail. Conforme ele, enviar mensagens eletrônicas comunicando os demais que o escritório possui uma nova tecnologia simplesmente não funciona.

Na prática, os profissionais do escritório ignoram e-mails como esse, sejam por estarem muito ocupados com outras tarefas, sejam por não vislumbrarem, de imediato, como usar a solução tecnológica em sua rotina. De acordo com Allen, é preciso, então, adotar diferentes abordagens, tais como criar grupos específicos para apresentar as ferramentas.

Conheça, a seguir, algumas técnicas para facilitar a adoção de novas tecnologias nos escritórios de advocacia:

1. Experimentando novas tecnologias

Em síntese, é essencial que os profissionais tenham a oportunidade de “colocar a mão” na tecnologia, ou seja, manuseá-la. Mais do que apenas assistir a um vídeo do produto ou a um tutorial, os membros do escritório precisam experimentar as ferramentas (embora sob uma ótica semi-imersiva, aliás, o quadro Playtest deste site cumpre papel semelhante).

2. Construindo o repositório tecnológico

Outro aspecto importante no processo de conscientização, sugere Allen, é desenvolver uma página interna reunindo informações sobre as ferramentas que podem ser usadas na rotina diária. Esse repositório tecnológico deve concentrar todas as informações referentes às soluções tecnológicas, para que os profissionais do escritório possam acessar facilmente.

É provável que você goste:

TJRN investe em sistemas para automatizar ações repetitivas

de advocacia 01
Os profissionais devem ter a oportunidade de “colocar a mão” na tecnologia

3. Endomarketing e produção de conteúdo

Jeff Marple, diretor de inovação do departamento jurídico da Liberty Mutual, acrescenta que os esforços de endomarketing são essenciais para conscientizar os escritórios a adotarem novas tecnologias. De acordo com Marple, é igualmente fundamental escrever artigos e publicá-los internamente, para que membros do escritório acessem o material.

4. Treinando profissionais do escritório de advocacia

Mesmo com todos esses esforços, talvez os membros do escritório não incorporem as ferramentas na prática. Aí entra uma nova etapa: a do treinamento. James Goodnow, presidente da Fennemore Craig, destaca que devem ser oferecidas aos profissionais diversas opções de treinamento, como aulas (individuais ou em grupo), vídeos, instruções e textos.

Em muitos casos, sobretudo quando há profissionais com mais dificuldade no manuseio das ferramentas, instruções personalizadas são fundamentais para aumentar o processo de conscientização. Outra abordagem válida é estimular os profissionais a solucionarem problemas jurídicos com a ferramenta que se pretende adotar no escritório de advocacia.

5. Implementando novas tecnologias no escritório de advocacia

Sem dúvida, é importante experimentar as soluções tecnológicas. Também é essencial construir o repositório tecnológico, desenvolver estratégias de endomarketing e treinar os membros do escritório. Mas, no momento em que os profissionais decidem implementar as ferramentas na rotina e começam a enxergar os resultados práticos, tudo muda.

Eric Falkenberry, sócio da DLA Piper, sugere integrar as novas tecnologias (adquiridas ou desenvolvidas pelo próprio escritório) com relatórios analíticos. Conforme ele, os relatórios fornecem às equipes jurídicas informações valiosas sobre os casos concretos e realçam o potencial das ferramentas para aprimorar os serviços jurídicos do escritório de advocacia.

Essas são, em suma, algumas técnicas para facilitar a adoção de novas tecnologias nos escritórios de advocacia. Se, antes da pandemia, incorporar soluções tecnológicas poderia ser considerada um “luxo” na visão de muitos profissionais, agora, mais do que nunca, tais ferramentas são essenciais para assegurar a competitividade dos escritórios de advocacia.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

TJRN investe em sistemas para automatizar ações repetitivas

Próximo

Sistemas que calculam “índice de reincidência” dos réus crescem nos EUA