Como os escritórios de advocacia podem melhorar a comunicação com seus clientes

Num mundo acelerado como o nosso, com cada vez mais profissionais inscritos nos quadros da OAB, é preciso se destacar para sobreviver no mercado. Embora o diferencial competitivo nos escritórios de advocacia normalmente esteja associado a novas tecnologias, às vezes a simplicidade na comunicação, com uma boa dose de criatividade, pode fazer a diferença.

O case do King & Wood Mallesons, apresentado no texto de hoje, nos oferece um vislumbre de como é possível se posicionar no mercado. Com sede em Hong Kong, a firma multinacional estruturou uma campanha publicitária nada convencional em 2012, distanciando-se, em suma, da publicidade tradicional (e previsível) adotada por outros escritórios de advocacia.

Inovação e criatividade nos escritórios de advocacia

O objetivo da campanha, intitulada Power of Together, foi registrar a fusão do King & Wood Mallesons com a SJ Berwin e, ao mesmo tempo, desafiar os clientes (atuais e futuros) a repensar o que um escritório de advocacia pode fazer por eles. Inspirando-se nas artes, o escritório contratou a artista britânica Su Blackwell para ilustrar a campanha.

A artista – especializada, aliás, em dioramas (maquetes) –, criou três incríveis ilustrações feitas com recortes de papel. Nas artes, é possível ver três livros jurídicos empilhados, sendo dois deles fechados e usados como sustentação; e um terceiro, no topo, completamente aberto, com suas páginas formando as áreas de especialidade do King & Wood Mallesons.

Em síntese, confira a seguir as ilustrações:

1. Área de especialidade: construção

os escritórios de advocacia 01
Clique para mais zoom

É provável que você goste:

Em 1929, juiz teve sentença anulada por usar máquina de escrever

2. Área de especialidade: exportação

os escritórios de advocacia 02
Clique para mais zoom

3. Área especialidade: energia limpa e fontes de energia renováveis

Clique para mais zoom

Embora as ilustrações tenham sido usadas em campanha publicitária – prática vedada, no Brasil, pelo Código de Ética e Disciplina da OAB –, o case revela que nunca é tarde para transformar a comunicação jurídica e se destacar no mercado. É possível aplicar essas ideias em e-books, white papers e outros materiais informativos do seu escritório de advocacia.


P. S. Um agradecimento ao Legal Service Design (LSD) por trazer o case à tona.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Enfim, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Em 1929, juiz teve sentença anulada por usar máquina de escrever

Próximo

Conheça iNOVATCHÊ, o laboratório de inovação da Justiça Federal do RS