Conheça as principais categorias de legaltechs dos países nórdicos

Recentemente foi lançado, em Copenhagen (Dinamarca), o Nordic Legal Tech Hub. O projeto busca reunir provedores de tecnologia, escritórios de advocacia, consultores corporativos e acadêmicos dos países nórdicos (Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia). Além disso, o objetivo é se tornar, a longo prazo, uma plataforma colaborativa de desenvolvimento de tecnologias jurídicas.

O panorama geral de legaltechs nos países nórdicos

De forma similar aqui à Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), o Nordic Legal Tech Hub está mapeando lá o ecossistema de tecnologia jurídica. De acordo com fundador e CEO Nick Hawtin, já são mais de 100 legaltechs espalhadas na Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. A imagem a seguir ilustra o panorama geral de startups jurídicas nos países nórdicos:

nórdicos 01

É provável que você goste:

13 tecnologias que irão revolucionar a prática jurídica

É possível notar uma concentração maior de legaltechs em duas categorias: compliance e automação de documentos, o que reflete, aliás, uma diferença cultural em relação ao nosso País. Conforme o radar da AB2L de setembro de 2019, duas sãos as lawtechs focadas em compliance no Brasil (não contando as iniciativas em early stage) e menos de 15 iniciativas em automação de documentos.

Categorias de legaltechs nórdicas

Só para ilustrar, as legaltechs nórdicas estão divididas em 9 categorias. Em resumo, são elas:

1. Marketplace – plataformas que conectam advogados, advogadas, escritórios de advocacia e fornecedores de tecnologia;

2. Automação de documentos – plataformas que oferecem soluções para automatizar documentos e gerenciar contratos;

3. Gerenciamento de práticasstartups focadas em soluções de gestão para escritórios e departamentos jurídicos;

4. Pesquisa jurídicalegaltechs que oferecem soluções de pesquisa jurídica para auxiliar na tomada de decisões;

5. Educação jurídica – plataformas que fornecem cursos online para profissionais da advocacia;

6. Resolução de conflitos online – plataformas que buscam formas alternativas ao processo judicial;

7. E-Discovery – plataformas de coleta e processamento de informações de documentos;

8. Analyticsstartups focadas em análise e complicação de dados;

9. Compliancelegaltechs que oferecem soluções e práticas de conformidade, proteção de dados, privacidade, etc.

É provável que você goste:

Conheça 7 categorias de lawtechs e legaltechs brasileiras

Tecnologias jurídicas nos países nórdicos

Além de ter criado um mapa dinâmico do ecossistema de inovação jurídica, o Nordic Legal Tech Hub tem se dedicado a promover congressos e fóruns com regularidade. Em resumo, o objetivo é facilitar o networking entre indivíduos e empresas que estão inovando no setor. Além disso, os eventos buscam debater os impactos das novas tecnologias no mercado jurídico nórdico.

Embora tenha sido fundado há poucos meses, o Nordic Legal Tech Hub está bastante ativo e, sobretudo, convencido de seu potencial para revolucionar a forma como os serviços jurídicos são prestados na Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. Enfim, para o CEO e fundador Nick Hawtin, o futuro do mercado jurídico nórdico será bastante desafiador, mas, ao mesmo tempo, excitante.


Aliás, continue explorando o assunto

BORIS, Mikkel. New Nordic Legal Tech Hub. Legal Tech Weekly, Copenhagen, 26 fev 2019.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Advogados jamais deixarão de existir, afirma especialista em inteligência artificial

Próximo

Como Dubai está imaginando os tribunais do futuro