Conheça Contraktor, a startup que descomplica a gestão de contratos das empresas

Continuo hoje a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do país. Na entrevista de hoje, recebi a Contraktor, uma startup que torna os fluxos de contratos mais fáceis dentro das empresas por meio da gestão e da assinatura digital. Só para ilustrar: a iniciativa, fundada por ex-advogados, gerencia atualmente mais de R$ 1 bilhão em contratos na nuvem para empresas.

Conheça Contraktor

Desse modo, conheça a seguir mais detalhes da Contraktor:

contraktor 01

1. Em primeiro lugar, como surgiu a Contraktor?

A Contraktor surgiu a partir da irresignação de dois ex-advogados: Bruno Doneda e Henrique Flores. 

Eram colegas de turma na faculdade de direito, mas desde aquele período tinham uma maior predileção pelo mercado de capitais. Sempre aos intervalos das aulas discutiam sobre as ações em que investiam e especulações no mercado financeiro. 

Após a formatura em 2013, Bruno fez LLM em Direito Empresarial e Henrique fez Especialização em Gestão de Operações Societárias e Planejamento Tributário. Cansados com o trabalho em escritórios de advocacia tradicional, passaram a empreender juntos em 2015, atendendo startups em captações de investimento e revisões de contratos. 

Com visão holística diferenciada, Bruno buscou aprofundar os seus conhecimentos em pós-graduação em Gestão de Tecnologia da Informação, e Henrique em Administração de Empresas com ênfase em Gestão do Mercado Financeiro e de Capitais.

Em 2016 já faziam sucesso no ecossistema paranaense como advogados sem gravata. Existiam raros escritórios concorrentes, mas, na tentativa de expandir os negócios, não tinham mais braços para atender novos clientes. E não havia até aquele ano pós-graduação em Direito das Startups para contratar novos funcionários para a empreitada.

Leia também:

AdvogadoJá conecta clientes e advogados em tempo real

Foi aí que surgiu a ideia de usar uma tecnologia proprietária para continuar produzindo intelectualmente com celeridade e com custo competitivo, inspirada no case israelense lawgeex de revisão com inteligência artificial.

Ao participar do programa de aceleração de startups chamado Founder Institute, restou claro que um modelo de distribuição de software seria mais interessante do que tentar escalar uma consultoria. Ou seja, um produto digital seria mais útil se utilizado por diversos outros advogados na elaboração e revisão de contratos do dia a dia, pois eram mais de 1 milhão naquele ano de 2016.

Falhamos. Nenhum advogado quis contratar o nosso serviço, por medo de serem substituídos, falta de interesse em co-criar soluções tecnológicas ou por achar que uma tecnologia deveria nascer de um dia para o outro já contemplando 100% das suas necessidades (se não, não valeria a pena contratar).

Em janeiro de 2017 pivotamos o negócio e focamos em empresas, não mais em advogados, pois, segundo a Associação Global de Gestores de Contratos, as empresas perdem 9.2% de receita ao ano por conta da má gestão contratual. Henrique mesmo teve cliente, no período em que foi advogado, que perdeu diversos equipamentos que estavam em comodato. Tudo por esquecer os prazos de renovação e falta de controle do próprio patrimônio.

Naquele mês ingressaram os 3 primeiros investidores anjo. Henrique, Bruno e dois desenvolvedores refizeram o produto para gestão do ciclo de vida de contratos. Em fevereiro já saíram as primeiras 5 vendas. Começava ali a Contraktor Tecnologia.

2. Em síntese, quais são os serviços oferecidos pela startup?

Muitas empresas possuem gargalos no fluxo de contratação, que são causados por diversos motivos, tais como: processos arcaicos de elaboração de documentos, falta de ferramentas de gestão para monitoramento de prazos, arquivos físicos em caixas de papelão, lentidão na revisão de documentos por advogados e processos morosos de coleta de assinaturas de representantes legais.

Nós provemos soluções para dar celeridade ao processo de fechamento de negócios pelas empresas. Através da transformação digital dos contratos, nós facilitamos a comunicação entre o setor jurídico e os departamentos financeiro, de vendas e/ou de suprimentos.

Oferecemos uma plataforma tecnológica que abrange todo ciclo de vida dos contratos (CLM), contando com ferramentas como: assinatura digital, autopreenchimento de documentos, alertas de vencimento de contratos e controle do processo de contratação via workflow.

3. Só para ilustrar: qual é o diferencial da Contraktor em relação às demais startups da mesma categoria de produtos/serviços?

Somos uma solução democrática e completa, com preços altamente competitivos para negócios pequenos e médios, bem como pequenos projetos para grandes empresas, 100% ajustados à realidade brasileira.

O sistema possui 10 vezes mais usabilidade e melhor preço que CLMs tradicionais de mercado SAP/TOTVS/THOMSON REUTERS. Além disso, tem muito mais funcionalidades do que os players que são somente assinatura eletrônica ou digital.

4. Aliás, a Contraktor tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Em síntese, nosso objetivo sempre foi a democratização de soluções tecnológicas na seara contratual, permitindo que pequenas e médias empresas, pessoas físicas e advogados pudessem participar da transformação digital dos contratos, gerenciando documentos de forma simples, elaborando e revisando documentos de forma ágil e gastando consideravelmente menos recursos se comparado ao uso de cartórios, motoboys e impressão, para fins de notarização de documentos.

5. Quem são as pessoas por trás da startup?

Henrique Flôres (LinkedIn), Bruno Nunes Doneda (LinkedIn) e Bruno Pereira (LinkedIn)

6. Enfim, quais são os planos da Contraktor para os próximos anos?

Crescer em 10 vezes a base de clientes até o final de 2020, ser líder no Brasil em software como serviço de gestão de contratos digitais para PMEs e entregar soluções de ponta também para LATAM.

Lawtechs e legaltechs

Em suma, lawtechs e legaltechs são startups que criam produtos e serviços de base tecnológica para melhorar o setor jurídico. Conforme a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), o Brasil conta diversas categorias de produtos e serviços. Só para ilustrar alguns: resolução de conflitos online, extração e monitoramento de dados públicos, redes de profissionais e jurimetria.

Sendo assim, vamos continuar explorando cada uma dessas soluções nas próximas entrevistas. Até breve!


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Conheça 3 habilidades essenciais do advogado do futuro

Próximo

A advocacia continuará sendo considerada atividade de meio em um futuro Data-Driven?