DataLawyer oferece soluções de jurimetria e gestão para melhorar a performance dos advogados

Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do Brasil. Na entrevista de hoje, recebi a DataLawyer, uma plataforma que oferece soluções de jurimetria e gestão para melhorar a performance dos advogados. Conversei com o Caio Santos, CEO da startup, sobre o funcionamento da startup e os planos para o futuro.

Conheça, então, mais detalhes da DataLawyer:

DataLawyer 01

1. Em primeiro lugar, como surgiu a DataLawyer?

Em síntese, a DataLawyer surgiu com a ideia de resolver problemas e gerar insights baseado em dados. Nós nascemos da AvisoUrgente, empresa com mais de 40 anos de experiência, observamos as necessidades dos clientes e percebemos que, por meio de dados confiáveis, estatísticas reais e gestão completa, conseguiremos impactar positivamente o meio jurídico.

2. Quais são os serviços oferecidos pela startup?

Lançamos, em abril de 2019, um software para gestão de escritórios de advocacia que faz o controle de forma ampla de um escritório, desde a gestão financeira à gestão processual. Em setembro de 2019, lançamos uma plataforma de jurimetria. A primeira versão cobre toda a esfera trabalhista, utilizando inteligência artificial para potencializar as análises. Além disso, conseguimos gerar estatísticas volumétricas e comparativas, trazendo assim mais informações para a tomada de decisões de nossos usuários.

É provável que você goste:

LiberFly ajuda passageiros a conseguir indenizações contra companhias aéreas

3. Qual é o diferencial da DataLawyer em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Sentimos muito a necessidade de que nossas plataformas fossem mais intuitivas. Investimos pesado em nosso UX e performance. Criamos nossa plataforma de jurimetria (DataLawyer insights) com o propósito de trazer análises complexas, cruzamento de informações, com apenas cliques e segundos para retornar com as informações. Desse modo, ganhamos velocidade na entrega de relatórios gerenciais.

4. Aliás, a DataLawyer tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Nosso propósito é ter uma advocacia baseada em dados. Acreditamos que, por meio de dados e informações confiáveis, conseguiremos impactar o meio jurídico.

5. Quem são as pessoas por trás da startup?

Nosso time é sensacional. Só para ilustrar: temos programadores com experiência e que entendem do meio (isso é raro). Investimos muito nesse conhecimento, com eventos e reuniões, para que todos entendessem as necessidades do mercado. Somos focados em customer experience (que envolve toda a empresa) , temos um time de CS (customer success) que tem a função de entender e auxiliar na evolução profissional de nossos clientes.

Além disso, temos um time de marketing e vendas que busca sempre entender as necessidades dos clientes. Enfim, temos gerentes que entendem o ser humano e buscam sempre evoluir o time como pessoas e profissionais. Eu tenho o prazer de liderar essa equipe e dar o norte para que eles executem nossa gestão distribuída. Delegar faz parte de nossa cultura.

DataLawyer 02

6. Enfim, quais são os planos da DataLawyer para os próximos anos?

Estamos expandindo. Abrimos uma filial no RJ tem poucos meses e temos o plano de ir pra SP em 2020. Em relação aos produtos, a evolução é continua. Devemos expandir para outras esferas a jurimetria e melhorar as ferramentas de gestão do nosso sistema.


Então, você já conhecia a DataLawyer?

Deixe seu comentário abaixo!


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

A advocacia está passando por duas grandes transformações (e nunca mais será a mesma)

Próximo

EasyJur utiliza inteligência artificial para agilizar o monitoramento de processos