Ecossistema brasileiro de tecnologia jurídica cresce 300% em dois anos

Desde 2017, quando foi fundada, a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) vem mapeando o ecossistema brasileiro de tecnologia jurídica no País. Ao longo dos dois últimos anos, o número de startups jurídicas aumentou em ritmo exponencial, apresentando crescimento de 300%. Hoje, o Brasil conta com mais 150 de lawtechs e legatechs que oferecem soluções tecnológicas para aprimorar os serviços jurídicos.

No segundo semestre de 2019, palestrei em algumas faculdades de Direito no Estado do Rio Grande do Sul e relatei aos alunos o crescimento do ecossistema de startups jurídicas no País. Em uma palestra, quando falei que o crescimento tinha alcançado o patamar de 300%, percebi no rosto de dois alunos que o número em si não “disse” nada. Faltava alguma informação visual para que a dupla compreendesse o que eu estava falando.

O ecossistema brasileiro de tecnologia jurídica

Foi quando exibi três slides extraídos do radar dinâmico da AB2L. Os estudantes ficarão completamente surpresos. As sobrancelhas arquearam por poucos segundos (microexpressão facial de surpresa). Em síntese, às vezes precisamos enxergar com nossos próprios olhos – a redundância é proposital – para compreender alguns temas ou mesmo entender as mudanças. Só para ilustrar, estes foram os slides que apresentei durante a palestra:

1. Panorama do ecossistema de lawtechs e legaltechs em 2017:

ecossistema de tecnologia jurídica 01

2. Panorama do ecossistema de lawtechs e legaltechs em 2018:

ecossistema de tecnologia jurídica 02

3. Panorama do ecossistema de lawtechs e legaltechs em 2019:

Crescimento impressionante, não é mesmo?

O ecossistema de tecnologia jurídica e as categorias de startups jurídicas

Conforme o mapeamento da AB2L, as startups jurídicas hoje estão divididas em 13 categorias. Em suma, são elas:

Estou acompanhando de perto o crescimento do ecossistema de tecnologia jurídica e entrevistando cofundadores de lawtechs e legaltechs. Aliás, mais de 30 entrevistas já estão disponíveis neste site (você pode acessá-las AQUI). Sou um otimista em relação ao potencial das novas tecnologias e enxergo com bons olhos – a redundância novamente é proposital – todas as iniciativas que buscam aprimorar os serviços jurídicos.

Enfim, embora seja cedo para quaisquer conclusões, ao que parece estamos no início de uma mudança de mentalidade dos operadores do Direito. Alguns, é claro, seguirão vislumbrando os avanços tecnológicos como ameaça e rejeitarão qualquer iniciativa para mudar o status quo. Por outro lado, aqueles que enxergarem as novas tecnologias como oportunidade têm mais chances de obter sucesso no mercado jurídico do futuro.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

No futuro, a maioria das demandas judiciais será resolvida em tribunais online

Próximo

3 soluções com Visual Law que podem transformar o mercado jurídico