Empresa chinesa lança óculos inteligentes para prevenir COVID-19

Como forma de auxiliar na prevenção da COVID-19, a empresa chinesa LLVision lançou um par de óculos inteligentes intitulado GLXSS SE-IR. O dispositivo, equipado com inteligência artificial e um termômetro em realidade aumentada, é capaz de verificar a temperatura dos cidadãos em instantes, ajudando aeroportos, escolas, empresas e organizações a prevenir a doença.

Empresa chinesa lança óculos inteligentes

Os óculos inteligentes conseguem medir a temperatura, em tempo real, de até 200 pessoas por minuto. Além disso, identificam cidadãos parados ou em movimento, desde que estejam até três metros de distância. Os equipamentos são igualmente equipados com software de reconhecimento facial, detectando rostos e emitindo alertas ao constatar pessoas com temperatura elevadas.

Com sede em Pequim, a empresa ganhou notoriedade em 2018, quando lançou um par de óculos com reconhecimento facial interno. O dispositivo, então desenvolvido para aprimorar o sistema de vigilância chinesa, foi adotado pela polícia para monitorar turistas durante o Ano Novo Chinês. Com os negócios afetados pela pandemia, a empresa criou agora uma nova funcionalidade:

A pandemia da COVID-19 impactou fortemente os negócios. Para ajudar as empresas a enfrentar esses desafios, atualizamos nossa plataforma de colaboração remota industrial para permitir o uso não invasivo em benefício do público e da equipe. – Roy Lou (Diretor de produtos da LLVision)

É provável que você goste:

Software que lê emoções promete identificar “criminosos” antes de agirem

óculos inteligentes 01
Os dispositivos conseguem medir a temperatura em tempo real

Prevenindo a COVID-19

Em suma, a tecnologia desenvolvida pela LLVision já está sendo utilizada em países como Emirados Árabes Unidos, Índia, Alemanha, Itália, Malásia, Tailândia, Austrália, Filipinas, África do Sul, Paquistão, Chile, Indonésia e Arábia Saudita. Conforme um release da empresa, aliás, ao menos 50 aeroportos já adotam os óculos GLXSS SE-IR para medir a temperatura dos passageiros.

Há quem confie demais nas tecnologias de reconhecimento facial, combinados ou não com outras funcionalidades, para aumentar a segurança e a prevenção da COVID-19. E há também quem repudie o uso de dispositivos que incrementam a vigilância dos cidadãos. O debate, que está longe de terminar, envolve enfrentar a controversa dicotomia segurança versus privacidade.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Software que lê emoções promete identificar “criminosos” antes de agirem

Próximo

Como os dados podem transformar a advocacia