Escritórios de advocacia do futuro serão “mesclados”, sugere especialista

Já são mais de seis meses desde o início do regime de isolamento social, que agora começa a se flexibilizar. A pandemia segue desafiando todas as indústrias e setores, incluindo o campo jurídico. Para lidar com os percalços do “novo normal”, escritórios de advocacia ao redor do mundo estão migrando inteiramente suas atividades para o formato digital.

Mas nem todos concordam que o futuro da advocacia será apenas remoto. Em entrevista ao Legal Cheek, John Watkins afirmou que os escritórios de advocacia do futuro serão “mesclados” (blended), ou seja, desempenharão tanto atividades online quanto presenciais. Como ambos os modelos oferecem prós e contras aos profissionais, eles deverão coexistir.

Escritórios de advocacia do futuro serão “mesclados”

Antes da crise, o mundo jurídico jamais havia parado para analisar os benefícios do trabalho remoto. No setor, poucos profissionais realmente adotavam ferramentas tecnológicas em seus escritórios. Agora, muitos perceberam que o modelo online nos permite realizar várias atividades no conforto do lar, evitando deslocamentos desnecessários.

Mas, apesar dos benefícios, o formato virtual impede a necessária interação “cara a cara” com os clientes. De acordo com Watkins, que também é diretor de empregabilidade na University of Law (ULAW), no Reino Unido, reunir-se com as pessoas continuará sendo fundamental para ajudar a criar confiança nos negócios, mesmo depois da pandemia.

Para Watkins, os modelos online e presencial coexistirão no mundo pós-pandemia

É provável que você goste:

Como se preparar para o mercado jurídico do futuro

Online e presencial coexistirão no mundo pós-pandemia

Conforme o especialista, os modelos online e presencial coexistirão no mundo pós-pandemia. Um advogado poderá atender hoje um cliente por meio de videoconferência e, amanhã, fechar o contrato de honorários na sede do escritório. Uma advogada poderá atender um cliente presencialmente agora e, no dia seguinte, fechar um contrato via videochamada.

Como parte das reuniões continuará sendo virtual, no futuro imaginado por Watkins, os profissionais da advocacia deverão aprimorar suas habilidades de comunicação. A confiança entre advogados e clientes será desenvolvida, em quantidade significativa, por meio das webcams. Sendo assim, é essencial que os profissionais aprendam a se comunicar:

Quanto mais advogados puderem dar vida a esse serviço por meio de reuniões virtuais, em vez de apenas ligações telefônicas, e aprimorar seu relacionamento à distância, maior será a probabilidade de os clientes serem mantidos no futuro. – John Watkins

Embora alguns especialistas apostem todas suas fichas no formato digital, John Watkins sugere um meio-termo para o futuro dos escritórios de advocacia. Para ele, portanto, os escritórios serão “mesclados”, realizando parte de suas atividades online e parte no modelo presencial. Enfim, o tempo dirá qual formato ou quais formatos irão prevalecer.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Utah e Arizona autorizam não advogados a prestarem serviços jurídicos

Próximo

TJDFT cria laboratório de inovação