Esta é a melhor forma de inserir vídeos em petições

Os sistemas de processo eletrônico oferecem muitos benefícios aos advogados, mas pecam ao não suportar uploads de arquivos pesados. Um arquivo de vídeo, por exemplo, normalmente não é aceito por esses sistemas, pois ultrapassa o tamanho permitido (em MBs). Para inserir vídeos em petições, os advogados acabam usando dois recursos:

  • QR Codes; e
  • Hyperlinks.

Ambos, contudo, têm suas limitações. O hyperlink não é chamativo e, a depender da forma como a petição é estruturada, sequer será percebido pelo julgador. Já o QR Code, apesar de mais chamativo que o hyperlink, não vem sendo bem aceito pelo Poder Judiciário (VisuLaw, 2020), sobretudo por exigir dos juízes um trabalho adicional.

inserir vídeos em petições 01

Mas, então, qual é a melhor forma de inserir um vídeo na petição? Em minha opinião, a imagem clicável é maneira mais adequada de apresentar o material extra-autos no processo. Isso porque, em síntese, ela é mais chamativa que as opções anteriores e, ao mesmo tempo, antecipa ao magistrado parte do conteúdo constante no vídeo.

A melhor forma de inserir vídeos em petições

Veja como inserir uma imagem clicável no Microsoft Word:

  • Abra o vídeo desejado;
  • Dê um print screen de um frame do vídeo;
  • Insira a imagem capturada no Microsoft Word;
  • Coloque a imagem entre dois parágrafos;
  • Clique-a usando o botão direito do mouse;
  • Selecione a opção “Link”;
  • Insira o URL do vídeo (YouTube, Vimeo, etc.);
  • Pronto, agora é só protocolar.

Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Por que os advogados devem usar indicadores de desempenho (KPIs)

Próximo

iFood inicia delivery com drones; entenda as possíveis questões jurídicas