Estamos próximos da era da vigilância subcutânea, adverte Yuval Harari

Em recente entrevista à rede BBC, o historiador israelense Yuval Harari afirmou que os níveis de vigilância estão se intensificando durante a pandemia. Se, antes dela, governos e empresas já monitoravam nossos desejos, nossas compras e até mesmo nossa localização, agora o objetivo é mapear tudo o que acontece “debaixo de nossa pele”.

Por conta da pandemia, governos e empresas estão se concentrando cada vez mais no que acontece dentro de nossos corpos. O desejo não é apenas saber se estamos doentes ou não, mas também entender como estamos nos sentindo. Para o autor de Homo Sapiens e Homo Deus, a crise transformará a vigilância da pele na vigilância subcutânea:

A crise da COVID-19 pode ser um marco, uma virada significativa na história da vigilância, porque a vigilância está sendo revolucionada. Está se transformando de uma vigilância da pele em uma vigilância subcutânea. – Yuval Harari 

É provável que você goste:

Como serão as estações de trabalho em 2030?

O alerta de Yuval Harari

Embora empresas de tecnologia ofereçam soluções para resguardar a saúde mental e monitorar nossos sinais vitais – como frequência cardíaca, temperatura e índices de saturação de oxigênio – Harari entende que tais tecnologias, se mal usadas, pavimentarão o caminho para a vigilância extrema. Para ele, as pulseiras biométricas são um dos maiores riscos:

Uma pulseira biométrica que monitora você 24 horas por dia pode facilmente distinguir se você é gay ou hétero e se você gosta ou não do governo. Se você usar uma pulseira biométrica que monitora o que está acontecendo por via subcutânea (…), o governo também pode saber o que você está sentindo enquanto lê essa matéria. – Yuval Harari 

Yuval Harari 01
Para Harari, as pulseiras biométricas são um dos maiores riscos

Estamos próximos da era da vigilância subcutânea

Ao detectar nossos sinais vitais, as pulseiras biométricas deduzem se acreditamos no que estamos lendo, se algo nos incomoda e inclusive se sentimos medo. De acordo com o historiador israelense, estamos diante de uma tecnologia de dois gumes, que pode tanto nos ajudar quanto nos prejudicar, pendendo mais para essa segunda modalidade:

A vigilância subcutânea pode criar o melhor sistema de saúde do mundo, um sistema que detecta uma doença antes que você saiba que a tem. Mas também pode dar lugar ao pior regime totalitário que já existiu, um regime que sabe mais sobre nós do que nós mesmos. – Yuval Harari 

Toda tecnologia tem defeitos e virtudes. Uma tecnologia poderosamente construtiva também pode ser poderosamente destrutiva na direção oposta. Embora nada seja inevitável, Harari acredita que devemos saber fazer escolhas sábias nesse momento ímpar, evitando que as consequências do mau uso da tecnologia se expandam de forma inesperada.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Legal Design é objeto de pesquisa em laboratório de inovação

Próximo

O mercado jurídico de 2021 na visão dos especialistas