Freelaw conecta escritórios de advocacia a advogados especializados sob demanda

Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do Brasil. Em mais uma entrevista da série, recebi a Freelaw, uma startup que conecta escritórios de advocacia a advogados especializados sob demanda. Conversei com o CEO da startup, Gabriel Magalhães, sobre o funcionamento e os planos para o futuro.

Em síntese, conheça mais detalhes da Freelaw:

1. Em primeiro lugar, como surgiu a Freelaw?

A Freelaw surgiu no Global Legal Hackathon de Fevereiro de 2018, uma competição de direito e tecnologia internacional. A empresa recebeu o prêmio de terceira melhor solução no evento de Belo Horizonte/MG.

Como possuíamos advogados na equipe, conhecíamos de perto as “dores” do mercado jurídico. Além disso, realizamos pesquisas de validação para entender quais eram os pontos mais críticos e desenvolvemos a solução.

É provável que você goste:

Kronoos gerencia riscos e compliance através de uma plataforma intuitiva e inteligente

2. Em síntese, quais são os serviços oferecidos pela startup?

A Freelaw é uma empresa com base em tecnologia que promove parcerias jurídicas em poucos cliques, com segurança e qualidade. Na prática, nós localizamos os 05 advogados mais especializados e você seleciona o mais adequado para te ajudar a cumprir os seus prazos com excelência.

Com a Freelaw, escritórios de advocacia conseguem aumentar o portfólio de serviços jurídicos e manter a excelência e agilidade, sem que precisem aumentar o custo fixo.

O funcionamento ocorre da seguinte forma:

  • Em primeiro lugar, os escritórios enviam os serviços que precisam ser executados;
  • Em sequência, nosso algoritmo inteligente notifica os profissionais mais adequados;
  • Esses profissionais realizam a proposta pelo trabalho e os escritórios de advocacia acessam os perfis e propostas dos profissionais;
  • Os escritórios selecionam o profissional que julgarem mais adequado e o serviço é entregue no prazo estipulado de acordo com as orientações enviadas;
  • Ao final, o escritório pode pedir modificações ou esclarecimentos e as partes avaliam a experiência na Freelaw.

3. Só para ilustrar, qual é o diferencial da Freelaw em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Existem duas soluções similares à Freelaw:

  • Plataformas de advogados correspondentes, que conectam advogados a advogados para realização de serviços, em geral, com menos complexidade e que precisam ser realizados de forma presencial em algum local, como diligências e audiências;
  • Parcerias jurídicas feitas de forma informal entre advogados.

O diferencial da Freelaw perante as plataformas de correspondentes é o controle de qualidade e a segurança gerada na relação entre os advogados, que permite a contratação de serviços mais complexos, como elaboração de petições, contratos e consultas. Além disso, a respeito das parcerias jurídicas informais que acontecem na advocacia, os diferenciais são:

  • A definição de regras objetivas que norteiam a parceria e diminuem riscos, conflitos e problemas;
  • Impessoalidade nas parcerias e possibilidade de contar com a Freelaw para facilitação da comunicação e suporte quando necessário;
  • Garantia do pagamento e realização de parcerias jurídicas por “atos” e, portanto, com prazo bem definido e curto.

4. Aliás, a Freelaw tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

O propósito da Freelaw é revolucionar a forma de trabalho no direito e criar uma Comunidade colaborativa de advogados que trabalham de uma forma mais eficiente, livre e flexível.

É provável que você goste:

Conheça InteliGov, a plataforma de inteligência legislativa automatizada

5. Em resumo, quem são as pessoas por trás da startup?

  • Gabriel Magalhães: cofundador, advogado e mediador de conflitos com experiência em desenvolvimento organizacional. Atua na área de Marketing e Vendas da Freelaw;
  • Júlia Resende: cofundadora, advogada e Product Manager. Possui experiência de trabalho em escritórios de advocacia de pequeno, médio e grande porte. É responsável por desenvolver a visão do produto da Freelaw e também pela área de Operações;
  • Humberto Vieira: CTO/Backend da Freelaw, Desenvolvedor, Futurista e Ideativo, gosta de compartilhar conhecimento. Atua na área Técnica;
  • Khevin Nogueira: CTO/Frotend da Freelaw, Desenvolvedor, Focado na experiência do usuário e executor. Atua na área Técnica.

6. Enfim, quais são os planos da Freelaw para os próximos anos?

Para os próximos anos queremos permitir que um número cada vez maior de advogados trabalhe de forma livre e flexível e garantir mais segurança e confiança na relação entre advogados. Enfim, para isso precisamos de aumentar a nossa base de clientes e também em criar medidas para garantir maior previsibilidade de serviços recebidos pelos advogados cadastrados na Freelaw.


Aliás, você já conhecia a Freelaw?

Deixe seu comentário abaixo!


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Conheça InteliGov, a plataforma de inteligência legislativa automatizada

Próximo

3 podcasts para entender o futuro do Direito