10 novas funções para os advogados do futuro, segundo Richard Susskind

Poucos são os pesquisadores que se dedicaram a estudar o futuro da advocacia como Richard Susskind. Nas últimas décadas, o professor produziu importantes trabalhos sobre as transformações no mercado jurídico e as novas perspectivas profissionais para os advogados. Entre suas principais publicações, recebe especial destaque o livro Tomorrow’s Lawyers (2013).

Na obra, Susskind sustenta que os advogados tradicionais não serão tão demandados no futuro, como consequência daquilo que denomina desafio do “mais por menos”. Conforme o professor, os clientes tenderão a procurar serviços mais baratos, com maior qualidade e que não necessariamente envolvam advogados, mas sistemas inteligentes e processos padronizados.

Com isso, Susskind não está sustentando que os advogados deixarão de existir no futuro. O que o professor quer dizer é que os profissionais tradicionais terão um papel menor na sociedade, pois não serão tão essenciais. O futuro imaginado por ele envolve novos formatos de serviços jurídicos, bem como novas funções para aqueles advogados flexíveis o suficiente para se adaptar às mudanças do mercado.

Previsões de Richard Susskind

O professor britânico está convencido de que o mercado jurídico abrirá espaço para os chamados “profissionais aprimorados” (enhanced practitioners), que deverão conhecer as mais modernas técnicas de padronização de processos e atuarão, via de regra, como assistentes jurídicos de advogados. Aliás, no livro Tomorrow’s Lawyers Susskind elenca 10 novas funções para os advogados do futuro.

Em síntese, são elas:

1. Engenheiros de conhecimento jurídico

Os serviços jurídicos tendem a ser cada vez mais padronizados e computadorizados. Em suma, esse cenário exigirá profissionais capazes de organizar e modelar enormes quantidades de documentos jurídicos. Caberá aos engenheiros de conhecimento jurídico analisar e incorporar os processos judiciais em sistemas computacionais. Como resultado, poderá ser criado, por exemplo, um serviço jurídico online.

2. Tecnólogos jurídicos

A prática do Direito é hoje dependente da tecnologia e da Internet. Aliás, essa dependência tende a se agravar mais e mais, tudo levando a crer que os serviços jurídicos serão impraticáveis sem as estruturas tecnológicos. É nesse contexto que surgem os tecnólogos jurídicos, profissionais habilitados para a prática do Direito, mas também para engenharia de sistemas e gestão da inovação tecnológica.

3. Híbridos jurídicos

O advogado do futuro deverá diversificar para se manter no mercado, o que envolve ampliar suas habilidades e se tornar multidisciplinar. Portanto, os híbridos jurídicos serão advogados dotados de conhecimentos multidisciplinares, que acrescentarão valor considerável ao serviço. Só para ilustrar: pense em profissionais jurídicos capazes de desempenhar a função de corretor ou psicólogo, caso o cliente necessite.

4. Analistas de processos judiciais

Esses novos profissionais terão espaço em escritórios de advocacia e departamentos jurídicos de empresas. Só para ilustrar: eles serão habilitados para realizar análises confiáveis, perspicazes e rigorosas dos processos. Os analistas deverão também subdividir documentos em fragmentos gerenciáveis e significativos (ou seja, que façam sentido mesmo quando lidos individualmente).

É provável que você goste:

A advocacia está passando por duas grandes transformações (e nunca mais será a mesma)

5. Gerentes de projetos jurídicos

Esses profissionais complementarão o trabalho do analistas. Desse modo, concluída a análise processual, o gerente de projeto jurídico supervisionará as demais etapas do serviço jurídico como um todo. Ou seja, caberá a ele verificar se as petições foram protocoladas dentro do prazo; se todos os documentos necessários foram juntados; se são necessários recursos para concluir o trabalho; etc.

6. Cientistas de dados jurídicos

Com o crescimento da inteligência artificial e análise preditiva no ramo do Direito, haverá espaço reservado para o cientista de dados jurídicos. Este profissional, que deverá ter conhecimentos sobre leis, matemática e linguagem de programação, ficará encarregado de identificar padrões, tendências, correlações e insights – tanto em recursos jurídicos quanto em materiais não jurídicos.

7.  Especialistas em pesquisa e desenvolvimento

Desenvolver novos recursos, técnicas e tecnologias para fornecer serviços jurídicos de diferentes maneiras será o papel do especialista em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em resumo, este profissional terá uma função muitas vezes mais exploratória do que prática, mas, ainda assim, será importante para aprimorar os serviços jurídicos oferecidos pelos escritórios de advocacia.

8. Especialistas em resolução de disputas online

Os sistemas de resolução de disputas online (ODR, do inglês Online Dispute Resolution Systems) já são utilizados nos Estados Unidos e em alguns países da Europa. Em suma, os especialistas em ODR terão um papel importante no mercado jurídico, aconselhando seus clientes sobre as melhores plataformas de resolução de conflitos e sobre as melhores formas de resolver os litígios com eficiência.

É provável que você goste:

Conheça 3 habilidades essenciais do advogado do futuro

9. Consultores de gestão jurídica

Os consultores de gestão jurídica terão vez no mercado jurídico do futuro. Em síntese, estes profissionais serão habilidades para oferecer consultas estratégicas (envolvendo itens como planejamento de longo prazo e estrutura organizacional) e operacionais (abrangendo itens como recrutamento, seleção de escritórios jurídicos, controle financeiro, comunicações internas e gestão de documentos).

10. Gestores de riscos jurídicos

Em um mundo cada vez mais conectado e com relações humanas complexas, haverá espaço para os gestores de riscos jurídicos. Estes profissionais realizarão atividades como revisão de riscos, avaliação de litígios, auditorias de compliance e análise de compromissos contratuais. Em resumo, o foco será antecipar as necessidades dos contratantes, para conter problemas jurídicos antes que se agravem.

Novas funções para os advogados do futuro, segundo Richard Susskind

Richard Susskind está convencido de que essas novas funções para os advogados do futuro proporcionarão oportunidades de carreira para aqueles que desejam trabalhar com o Direito nas próximas décadas. Enfim, embora não sejam profissões que estudantes têm em mente quando se formam, elas serão, conforme o professor, ocupações intelectualmente estimulantes e socialmente significativas.


Continue explorando o assunto

SUSSKIND, Richard. Tomorrow’s lawyers: an introduction to your future. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 2013.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Fluxogramas: como eles podem aprimorar as petições dos advogados

Próximo

4 itens que NÃO podem faltar no toolkit do advogado 4.0