Investidores apostam em startup que propõe divórcio online sem advogados

A startup Amicable, que oferece serviços online para ajudar casais a se divorciarem ou se separarem, recebeu uma nova rodada de investimentos de £ 488.000 (cerca de R$ 3,2 milhões). Com o aporte, a plataforma de divórcio online fundada por uma especialista em divórcio e uma expert em tecnologia está mais próxima de atingir sua missão:

separar os casais de maneira amistosa, sem gastar milhares de libras em advogados.

Número de divórcios aumenta durante a pandemia

Notícias ao redor do mundo revelaram que a procura por divórcio aumentou durante a pandemia. O convívio intenso, decorrente do isolamento social, vem sobrecarregando, física e emocionalmente, muitas famílias. A startup, que propõe ajudar casais a redigirem seus  documentos sem a necessidade de advogados, tem o timing perfeito a seu favor.

É provável que você goste:

Plataforma britânica permite que advogados se expressem de forma visual

Os serviços oferecidos pela Amicable são, conforme a própria alega, “dez vezes mais baratos do que ir a tribunal”. Além disso, são “um terço do custo de um advogado e metade do custo de uma mediação”. Como não há plataforma específica em divórcio no Brasil, até onde tenho ciência, tomo a liberdade de explorar um pouco como funciona a Amicable.

Startup propõe divórcio online sem advogados

Ao acessar o site da Amicable, o usuário precisa responder os questionamentos feitos por um chatbot. De início, a plataforma pergunta “Você ou seu ex vivem na Inglaterra ou no País de Gales?”. Respondendo “sim” à pergunta, surge, então, outro questionamento (“Você já conseguiram realizar algum acordo financeiro?”), sendo apresentadas três opções:

  • Não iniciamos as negociações;
  • Temos alguns acordos, mas detalhes para resolver;
  • Nós acordamos com a nossa divisão financeira.
divórcio online 01
A procura por divórcio vem aumentando durante a pandemia

À medida que o usuário responde as perguntas, ele/ela será direcionado a um encaminhamento específico. O sistema filtra pessoas que não sabem bem o que querem ou que estão apenas “conhecendo mais a plataforma”. Em tais casos, aliás, a plataforma recomenda ao usuário uma ligação gratuita de 15 minutos com um de seus especialistas.

Divórcio online, mas mantendo o contato humano

Embora o primeiro contato do usuário se dê através de um chatbot, o segundo contato é com um ser humano. O atendente, chamado de divorce coach, ajudará o usuário nos próximos passos. Desse modo, a Amicable não propõe digitalizar completamente a experiência do divórcio, mas combinar tecnologia de fácil uso com o “importante toque humano”.

Cabe ao divorce coach ajudar ambas as partes a atingirem um consenso em termos financeiros, bem como em relação à guarda dos filhos. Os atendentes gerenciam toda a papelada necessária para providenciar a separação amigável. Os serviços online da Amicable também abrangem um aplicativo com suporte 24/7, além de um chatbot para dúvidas pontuais.

De acordo com Pip Wilson, uma das fundadoras da plataforma,

Sempre combinamos a tecnologia e o aspecto humano do nosso serviço, e esse é um foco contínuo para o futuro. O financiamento ajudará a tornar nossa tecnologia mais inteligente e rápida, além de manter o excelente serviço em que nos orgulhamos. – Pip Wilson

À medida que os métodos alternativos para solução de conflitos ganham espaço ao redor do mundo (e, igualmente, as ODRs), países como o Brasil logo deverão estar desenvolvendo soluções tecnológicas similares à Amicable. O elemento humano provavelmente será mantido no design desses sistemas, embora algumas etapas seguramente serão digitalizadas.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Nova tecnologia chinesa pode identificar pessoas, mesmo se estiverem usando máscaras

Próximo

Projeto de lei estabelece diretrizes para o uso da inteligência artificial no Brasil