JFBA e TJMA publicam atos normativos sobre Visual Law

A Justiça Federal da Seção Judiciária da Bahia (JFBA) publicou a Portaria nº 2/2021, autorizando a utilização de Visual Law em processos que tratam de benefícios previdenciários. O documento, assinado pelo juiz federal Rafael Ianner Silva, da Subseção de Campo Formoso (BA), permite que as partes adotem recursos visuais nas petições.

Portaria da JFBA sobre Visual Law

A portaria, aliás, é inspirada na Resolução nº 347/2020, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que instituiu a Política de Governança das Contratações Públicas dos órgãos do Poder Judiciário. Tal resolução dispõe, em síntese, que o uso de Visual Law é essencial para tornar a linguagem de todos os documentos mais claros, usuais e acessíveis.

Em seu art. 3º, só para ilustrar, a Portaria nº 2/2021 regulamenta o seguinte:

Art. 3º Para instrução documentada de que trata esta portaria, poderão ser utilizados pelas partes recursos de VISUAL LAW – subárea do Legal Design que utiliza elementos visuais tais como imagens, infográficos e fluxogramas, para tornar o Direito mais claro e compreensível.

  • Clique AQUI para ler a portaria.
JFBA 01
A JFBA e o TJMA publicaram atos normativos sobre Visual Law

É provável que você goste:

TJRS lança projeto para simplificar a redação dos documentos jurídicos

Provimento do TJMA sobre Visual Law

A Corregedoria Geral da Justiça do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) também mencionou o Visual Law em ato normativo. O Provimento nº 592020, que institui o Programa de Compliance na corregedoria, admite a capacitação e treinamento periódico sobre ética, integridade e governança, com utilização das técnicas de Visual Law.

Em seu art. 4º, aliás, o Provimento nº 592020 regulamenta o seguinte:

I – Capacitação e treinamento periódico sobre ética, integridade e governança, prioritariamente desenvolvido por meio on-line e mediante emprego das técnicas de visual law.

  • Clique AQUI para ler o provimento.

Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

CNJ institui política de gestão da inovação no Poder Judiciário

Próximo

CIDH elabora guia ilustrado para explicar caso judicial de 1998