Juíza critica petição de 60 páginas e sugere uso de Visual Law

Compartilhe este conteúdo

Em recente decisão, a juíza de Direito Larissa Cerqueira de Oliveira criticou uma petição de 60 páginas e sugeriu o uso de técnicas de Visual Law. Para a magistrada, petições prolixas não apenas ofendem a “celeridade processual”, como também a “qualitativa produtividade do Judiciário”.

Juíza critica petição de 60 páginas

A julgadora, titular da 2ª Vara do Foro de Presidente Epitácio (SP), destacou que o Poder Judiciário está sobrecarregado com a enorme quantidade de processos. De acordo com a magistrada, são “necessárias novas práticas e estratégias, inclusive dos advogados”, para enfrentar o problema.

Veja, em síntese, um trecho da decisão:

petição de 60 páginas 01

Entre as novas práticas, a juíza destacou o Visual Law, qualificando-o como “nova forma de argumentação jurídica que combina elementos visuais e textuais para contextualizar o caso em petições e simplificar o conteúdo”, referindo, além disso, que a técnica torna “os documentos simples, interativos e fáceis de ler”:

É provável que você goste:

Juiz usa recursos gráficos em resumo de sentença; desembargador elogia

Visual Law em petições

Não é a primeira vez que uma juíza se manifesta a favor do Visual Law. Em decisão publicada em 2021, a magistrada Ilana Kabacznik Luongo Kapah, da Vara Única da Comarca de Calçoene (AP), elogiou um advogado por ter adotado recursos visuais na petição inicial, tornando a comunicação clara e acessível.

Em acórdão veiculado também em 2021, o desembargador Francisco de Assis Carvalho e Silva, do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (TRT13), elogiou o juiz de Direito Francisco de Assis Barbosa Júnior, da 2ª Vara do Trabalho de Campina Grande, por usar recursos gráficos em resumo de sentença.

Além das decisões já publicadas, que realçam o potencial do Visual Law, a pesquisa conduzida pelo grupo VisuLaw demonstrou que os magistrados não gostam de petições prolixas e apreciam elementos visuais. Há uma abertura da magistratura em relação à técnica, desde que usada de forma moderada.

Acesse a decisão na íntegra

Clique AQUI para acessar a decisão.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Bernardo de Azevedo

Advogado. Doutorando em Direito (UNISINOS). Mestre em Ciências Criminais (PUCRS). Especialista em Computação Forense e Segurança da Informação (IPOG). Professor dos Cursos de Pós-Graduação em Direito da Universidade FEEVALE e da Universidade de Caxias do Sul (UCS).
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?