JUSTTO é uma plataforma orientada a dados que ajuda a resolver disputas

Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs. Hoje é a vez de conhecer a JUSTTO, uma plataforma orientada a dados que ajuda escritórios de advocacia e departamentos jurídicos a resolver disputas. Conversei com Michelle Morcos (CEO) sobre as soluções, o funcionamento, diferencial e composição da legaltech:

JUSTTO 01

1. Como surgiu a JUSTTO?

A JUSTTO surgiu em 2012 da vontade de dois advogados em ajudar a sociedade a resolver seus conflitos de forma mais eficiente. O Judiciário é um sistema muito lento onde, de um lado, as empresas gastam muito e, de outro, as pessoas físicas demoram anos para terem seus direitos satisfeitos. A maior dor que resolvemos são os conflitos entre empresas e pessoas físicas e, portanto, conflitos de consumo e trabalhistas.

Em 2015, a JUSTTO passou por um programa de aceleração da ACE (eleita por 3 vezes como a melhor aceleradora da América Latina) e isso foi um turning point para a empresa, que desde então resolveu focar todos os seus esforços em tecnologia e se tornar a melhor plataforma de resolução de disputas baseada em dados e tecnologia do mundo.

2. Quais são os serviços oferecidos pela startup?

Hoje temos uma plataforma de resolução de disputas online e a licenciamos como SaaS (Software as a Service) para empresas, câmaras de mediação e escritórios de advocacia que queiram trazer mais escala, gestão e estratégia nas suas negociações/mediações.

Nossa plataforma oferece (i) enriquecimento automático de dados e andamentos processuais com base nos Tribunais Competentes, (ii) envio de comunicação customizada pelo cliente por meio de SMS, whatsapp e e-mail, (iii) gerenciamento omnichannel das negociações, (iv) dashboards com indicadores de performance, gestão da equipe e perfil de demandas, (v) gerador de documentos e (vi) assinatura eletrônica.

É provável que você goste:

Assinador.Online propõe nova forma de elaborar documentos e coletar assinaturas

3. Em suma, qual é o diferencial em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Nosso grande diferencial é tecnológico. Podemos dizer com bastante tranquilidade que temos a melhor plataforma de resolução de disputas do mercado, pois aliamos tecnologia com análise de dados e inteligência para trazer maior agilidade e uma melhor experiência do usuário na resolução das disputas.

4. A JUSTTO tem, aliás, um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Sim, nosso MTP, desde o dia 1, é ajudar nossa sociedade a resolver seus conflitos de forma mais eficiente.

5. Quem são, aliás, as pessoas por trás da JUSTTO?

  • Michelle Morcos – CEO, advogada formada pela USP e com pós-graduação em Law & Economics pela Universidade de Rotterdam, Holanda
  • Kelvin Araki – COO, administrador de empresas formado pela EAESP/FGV, com MBA em Varejo pela USP;
  • Lucas Israel – CTO, desenvolvedor de Sistemas Web e Análise formado na Veris IBTA.

Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

CIDH elabora guia ilustrado para explicar caso judicial de 1998

Próximo

Como os tribunais dos países de língua portuguesa estão lidando com a pandemia