Laboratório de inovação do TJPR busca aprimorar a prestação jurisdicional

O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) recentemente instituiu, por meio do Decreto 497-19, seu próprio laboratório de inovação. A iniciativa, vinculada à Escola dos Servidores do Tribunal de Justiça do Paraná (ESEJE), busca estimular a inovação e cocriar soluções para os desafios enfrentados na prestação jurisdicional paranaense.

Laboratório de inovação do TJPR

Coordenado pela juíza Flávia da Costa Viana, o LINO-TJPR (Laboratório de Inovação do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná) é um espaço voltado a estudos, pesquisas, criação e desenvolvimento de projetos e programas inovadores. Em suma, o laboratório tem como objetivos a resolução de problemas e o aperfeiçoamento dos serviços judiciais.

No mesmo decreto, aliás, o TJPR criou o Programa de Gestão e Inovação da Justiça Estadual do Paraná (PGITJPR), o qual, mediante o uso de  métodos e recursos aptos a promover a interação e a colaboração, busca assegurar a participação de juízes e servidores na políticas judiciárias direcionadas à inovação e baseadas na gestão participativa e democrática.

TJPR 01
Além do TJPR, outros tribunais brasileiros estão criando laboratórios de inovação

Incentivo para criação de laboratórios de inovação

Em 2019, a Corregedoria Nacional de Justiça publicou o Provimento nº 85, incentivando os tribunais a criarem seus próprios laboratórios de inovação. O provimento, em síntese, é inspirado na Portaria 119/19, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que criou o Laboratório de Inovação, Inteligência e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (LIODS).

Além do TJPR, outros tribunais brasileiros estão criando laboratórios de inovação. Só para ilustrar: o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) criou recentemente seu laboratório de ciência de dados jurídicos e inteligência artificial. Já o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) instituiu também seu próprio laboratório de inovação.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Conheça Juddi, uma plataforma de automação para advogados

Próximo

Playtest: como funciona a Verifact