Legal Design é objeto de pesquisa em laboratório de inovação

A Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (FDSBC) lançou recentemente seu próprio laboratório de inovação. O objetivo da iniciativa é desenvolver pesquisas sobre tecnologia e inovação na área jurídica, no ensino jurídico e na sociedade como um todo, além de promover cursos livres de aprimoramento profissional aos interessados.

O laboratório iniciou as atividades em 2020, pouco antes da pandemia. De acordo com Rafael Biancatelli, em informações exclusivas para este site, o projeto foi criado a partir do reconhecimento de que as atividades desenvolvidas pelos profissionais da área jurídica cada vez mais demandam conhecimento em áreas como inovação e empreendedorismo.

O laboratório de inovação da FDSBC

Logo em seus primeiros dias, o Lab de Inovação formou três grupos temáticos, compostos de monitores e alunos. Os eixos foram, respectivamente, Legal Design, Data Science e Proteção de Dados. Por conta da pandemia, contudo, o laboratório conduziu todos os encontros de 2020 de forma virtual, sempre às terças-feiras. Conforme Biancatelli,

Contamos com a infelicidade da pandemia, mas, mesmo com pouco ou quase nenhum contato presencial entre alunos e monitores, soubemos nos reinventar. Os monitores trouxeram conteúdos incríveis para as aulas, que contaram com grande engajamento dos alunos. Sempre havia atividades, que funcionavam como lições de casa, para que todos os alunos pudessem praticar os conceitos das aulas. – Rafael Biancatelli

laboratório 01
O laboratório é coordenado pelo professor Ruy Copolla Jr.

Grupo temático de Legal Design

O grupo temático de Legal Design ficou encarregado de oferecer uma experiência mais humanizada aos assistidos da Assistência Judiciária Gratuita (AJG) prestada pela FDSBC aos munícipes de São Bernardo do Campo (SP). Em suma, os membros adotaram a metodologia de Design Thinking para melhorar a comunicação do serviço de AJG:

Descobrimos nosso problema, definimos, idealizamos, prototipamos e testamos. Algo que foi interessante durante os processos foi a interação entre o grupo de Legal Design e os funcionários mais antigos da Assistência. Com ajuda deles foi possível entender melhor os problemas, e de uma forma cooperativa e inovadora solucioná-los. – Rafael Biancatelli

As etapas do projeto de Legal Design foram as seguintes: questionário (pesquisa com o público); entrevista com os funcionários; plano de Ação e MVP (Minimum Viable Product); fluxo de jornada do site; prototipação de baixa e média e alta fidelidade; e teste de usabilidade. A diretoria da faculdade aprovou o projeto, que está agora em fase de adaptações:

No momento, o projeto se encontra em últimas adaptações com a área de TI da faculdade para que a partir de 2021 ele possa “rodar” dentro do site e ajudar milhares de munícipes. – Rafael Biancatelli

Clique AQUI para ver o resultado preliminar.

É provável que você goste:

4 eBooks sobre Legal Design e Visual Law

Além de todas as iniciativas, o Lab de Inovação organizou webinários com profissionais de diferentes expertises. Conforme Rafael Biancatelli, o laboratório proporcionou verdadeiros “aulões”. O ano de 2021 será repleto de atividades, entre as quais se destaca o do canal do laboratório no YouTube, para oferecer ainda mais conteúdos aos interessados.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Juristec+ oferece soluções de Business Intelligence e Data Analytics para o mercado jurídico

Próximo

Estamos próximos da era da vigilância subcutânea, adverte Yuval Harari