Legal Insights utiliza dados para otimizar as tomadas de decisão dos gestores jurídicos

Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do Brasil. Na entrevista de hoje, recebi a Legal Insights, uma plataforma que utiliza dados para otimizar as tomadas de decisão e gerar melhores resultados para os gestores jurídicos. Conversei com o Marcos Speca, cofundador da startup, sobre o funcionamento da Legal Insights e os planos para o futuro.

Conheça, então, mais detalhes da Legal Insights:

Legal Insights 01

1. Em primeiro lugar, como surgiu a Legal Insights?

A Legal Insights está operando desde janeiro de 2017, mas a ideia vem de alguns meses antes. Em conversa com diversas empresas identificamos que o jurídico tem pouco acesso a tecnologias de ponta e cultura data-driven (para tomada de decisão baseada em dados), seja por falta de apoio interno das áreas de tecnologia, que priorizam outros projetos, seja por que os softwares jurídicos tradicionais não atendem a necessidade de gerar insights relevantes para o Gestor. Então resolvemos criar uma plataforma com tecnologia de ponta, que entrega as informações organizadas e prontas para análise, e, o mais importante, aliando isso a um serviço consultivo para potencializar o resultado do uso da plataforma.

2. Só para ilustrar: quais são os serviços oferecidos pela startup?

O que fazemos é simples: utilizando tecnologia, coletamos e organizamos as informações relevantes para o gestor jurídico tomar decisões, para que ele possa gerar resultado para a empresa. Nós resolvemos o problema de coletar, organizar e apresentar informações para a tomada de decisão e gestão do departamento. Além da plataforma de analytics, também prestamos serviços pontuais de projetos de jurimetria, ou como preferimos, ciência de dados aplicada ao Direito, e também iniciativas com foco em reduções de custo.

3. Qual é o diferencial da Legal Insights em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Focamos muito no atendimento ao cliente e não temos interesse em nos tornar puramente uma empresa de software. Portanto, atuamos muito como consultoria, agregando conhecimento junto ao cliente. Devido a isso temos um modelo de zero cobrança de customizações, o que nos dá uma flexibilidade maior para fazer o que realmente importa: entregar informações relevantes e certeiras para nossos clientes.

4. Aliás, a Legal Insights tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Não sou muito fã destes clichês do Vale do Silício, mas podemos resumir nosso propósito em levar a cultura data-driven para os departamentos jurídicos de grandes empresas, e ajudar os gestores a gerarem resultados financeiros.

É provável que você goste:

Oystr desenvolve robôs para captura e envio de informações dentro do ambiente jurídico

5. Quem são as pessoas por trás da startup?

Hoje nosso time é bem enxuto. Na liderança da empresa estou eu, que sou formado em Ciência da Computação e trabalho com soluções de dados e analytics há mais de 10 anos, junto com meu sócio, Gabriel Smanio, que é advogado e já foi gestor jurídico em grandes empresas e multinacionais. Nosso time é composto de desenvolvedores, analistas, engenheiros e cientista de dados.

6. Quais são os planos da Legal Insights para os próximos anos?

Temos algumas iniciativas de novos produtos e ofertas, mas isso é confidencial… Além disso, continuar o bom trabalho em entregar informação relevante e deixar nossos clientes satisfeitos! Acredito que daqui para frente as empresas deverão se focar muito mais em “Right Data” do que Big ou Small Data (para falar um pouco dos buzzwords que escuto por aí… rs).


Então, você já conhecia a Legal Insights?

Deixe seu comentário abaixo!


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Oystr desenvolve robôs para captura e envio de informações dentro do ambiente jurídico

Próximo

Storyboards: como eles podem aprimorar as petições dos advogados