Mercado de tecnologia jurídica avança na Austrália

O mercado de tecnologia jurídica está avançando na Austrália. Desde 2017, quando foi fundada Australian Legal Technology Association (ALTA), o país está incentivando o desenvolvimento de legal techs e transformando a prática jurídica de modo sem precedentes. Só para ilustrar: atualmente, mais de 100 startups jurídicas operam em solo australiano.

De acordo com o Global Legal Tech Report for Australia, relatório produzido pela ALTA em colaboração com Alpha Creates, e que conta com o apoio de patrocinadores de calibre como Macquarie, KMPG, Law Society of England and Waltes e Toro Digital, nos próximos anos o mercado jurídico em terras australianas será “vibrante, próspero e caleidoscópico”.

O mercado de tecnologia jurídica australiano

Em síntese, o cenário de tecnologia jurídica na Austrália abriga uma gama diversificada de startups em vários estágios diferentes de desenvolvimento. A imagem a seguir, aliás, apresenta as principais categorias de legal techs na Austrália, tais como e-Discovery, legal operations, legal research, marketplace, legal analytics e document automation:

mercado de tecnologia 01

É provável que você goste:

Conheça as principais categorias de legal techs australianas

Representatividade feminina

Ao analisar a questão relativa ao gênero, o relatório constatou que há baixa representatividade de mulheres nos escritórios de advocacia australianos (nos 50 maiores escritórios do país, as mulheres ocupam 28,5% das funções). O patamar é refletido também nas empresas de tecnologia jurídica (menos de 30% das startups têm fundadoras ou cofundadoras).

Inteligência artificial no mercado de tecnologia australiano

Outro aspecto objeto do relatório foi a aplicação de inteligência artificial (IA) no business das legal techs. De acordo com o documento, a IA ainda não é o “principal mecanismo” que alimenta as empresas de tecnologia jurídica na Austrália. Apenas 30% dos entrevistados a utilizam, mas os que decidiram construir seu modelo de negócios com IA estão confiantes:

É claro que as empresas baseadas em IA são otimistas no futuro, com o dobro de desenvolvedores, planos quase universais para aumentar suas equipes de desenvolvedores e planos de crescimento internacional mais ambiciosos do que as empresas não baseadas em AI. – Eric Chin (pesquisador que participou da elaboração do relatório)

Plataformas com mais de uma solução

Além disso, o relatório identificou que a maioria das legal techs (59%) fornece soluções integradas. Ou seja, plataformas com mais de uma solução tecnológica para o mercado jurídico. O documento sugere, enfim, que startups que oferecem soluções integradas têm mais chances de atrais financiamento externo do que aquelas que oferecem soluções pontuais.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Tribunais ao redor do mundo adotam novas práticas para analisar casos judiciais

Próximo

No mundo pós-pandemia, haverá espaço para escritórios de advocacia “não digitais”?