O choque do futuro no Direito

O choque do futuro é a absoluta desorientação trazida pela chegada prematura do futuro. – Alvin Toffler 

As pessoas geralmente não pensam muito sobre o futuro, porque estão muito ocupadas com o agora. Não um, não dois, mais diversos estudos revelam, aliás, que poucas pessoas refletem sobre como serão suas vidas daqui a alguns anos. O futuro parece vago e remoto para muitos de nós e, por isso, pensamos que não podemos modificá-lo ou mesmo controlá-lo.

O choque do futuro

Publicado há cinco décadas (1970), O Choque do Futuro foi um dos primeiros livros a apresentar uma maneira racial de pensar sobre o futuro, literalmente chocando seus leitores. Na obra, Alvin Toffler convida todos a refletirem sobre os amanhãs que desejam para suas vidas, desafiando os leitores a considerarem seus papéis na construção do futuro.

O livro foi escrito durante um dos períodos mais turbulentos da história dos Estados Unidos. A Guerra do Vietnã ainda estava longe de terminar, e protestos estavam sendo realizados no país. Movimentos para questionar violações de direitos civis, como segregação racial e discriminação de gênero, também ocorriam em diversos estados norte-americanos.

A tecnologia não era tão avançada à época em que o livro foi lançado, mas já sacudia os valores sociais. Toffler percebeu que o futuro, influenciado pelos avanços tecnológicos de então, estava chegando de forma prematura para todos. Embora as mudanças estivessem sendo aceleradas, as pessoas não estavam preparadas para lidar com aquela realidade:

O choque é um fenômeno temporal, um produto do ritmo grandemente acelerado das mudanças na sociedade. Ele surge da superimposição de uma nova cultura sobre uma outra mais antiga. Ele é equivalente a um choque cultural dentro da própria sociedade. Mas o seu impacto é muito pior. – Alvin Toffler 

Somos agentes de mudança

Mas O Choque do Futuro não é um livro meramente alarmista; ele oferece conceitos poderosos aos seus leitores. A obra destaca, em síntese, que podemos ser forças para a mudança. Ou seja, todos nós podemos aprender a lidar com mudanças aceleradas e desenvolver uma consciência em relação às transformações, para construir futuros melhores.

o choque do futuro 01
Toffler percebeu que o futuro estava chegando de forma prematura

É provável que você goste:

4 habilidades para profissionais do Direito no mundo pós-pandemia

A obra propõe ao leitor que seja um agente da mudança. Alguém que crie o futuro desde agora. Afinal, não precisamos adotar uma postura passiva em relação ao futuro; não precisamos ser atropelados por ele. Em vez de sermos reativos e adormecidos, devemos ser proativos e antecipatórios. Devemos moldar os nossos futuros, ou outras pessoas o farão.

A leitura de O Choque do Futuro provavelmente é tão prazerosa hoje quando o foi em 1970. Há trechos da obra que poderiam ter sido retiradas de artigos publicados na semana passada. O livro, completamente original para época, lançou luz a um futuro alcançável, que todos poderiam construir, injetando a capacidade antecipatória em empresas e indivíduos.

Mudando nosso olhar em relação ao futuro

Devemos mudar o nosso olhar em relação ao futuro. Thomas Frey, um dos autores da coletânea After Shock (2020), assinala que as imagens do futuro que temos em nossas mentes é que determinam as nossas ações no presente. Desse modo, ao mudarmos nossa visão em relação ao amanhã, teremos mais elementos para tomar melhores decisões hoje.

Pensar sobre o amanhã nos permite imaginar em que futuro queremos viver e como podemos chegar lá. Alvin Toffler tratava o choque do futuro como uma doença não catalogada no Index Medicus. Nessa linha, Marina Gorbis, diretora executiva do Institute for the Future, refere que antecipar o futuro ajuda a nos inocularmos, evitando que adoeçamos:

No pensamento futuro, se você considerou toda uma gama de possibilidades, está se inoculando. Se uma dessas possibilidades acontecer, você estará mais bem preparado. – Marina Gorbis

O choque do futuro no Direito

O futuro está chegando de forma prematura, desorientando a todos, incluindo os profissionais do Direito. A pandemia está transformando a maneira como os serviços jurídicos são prestados. Logo, adotar uma visão limitada e de curto prazo coloca empresas, departamentos jurídicos e escritórios de advocacia em risco, pois não os prepara para as mudanças.

As transformações estão ocorrendo em ritmo cada vez mais acelerado, desafiando nossa capacidade de fazer escolhas. Por isso, nunca como hoje foi tão importante desenvolver uma perspectiva temporal orientada para o futuro. Somente assim estaremos preparados para uma gama de possibilidade (inoculação) e saberemos tomar melhores decisões no presente.

Em setembro, eu e o Felipe Cardoso Moreira de Oliveira vamos lançar a Futurídica, uma edtech que terá como propósito estimular o pensamento futuro em estudantes e profissionais do Direito, de modo a prepará-los para o mercado jurídico do amanhã. Você é bem-vindo(a) a embarcar conosco nesta jornada desconhecida, mas repleta de oportunidades.

Enfim, clique AQUI se você deseja receber novidades em primeira mão.


Continue explorando o assunto

TOFFLER, Alvin. O choque do futuro. Petrópolis: Vozes, 1970.

SCHROETER, John (Org.). After shock. Washington: John August Media, LLC, 2020.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Devemos levar a realidade virtual para os tribunais?

Próximo

Conheça MP Labs, o laboratório de inovação do Ministério Público de Pernambuco