O futuro envolverá mais, e não menos, uso de tecnologia, afirmam juízes britânicos

Os magistrados Barry Clarke e Shona Simon recentemente afirmaram que o futuro envolverá mais, e não menos, uso de tecnologia pelos tribunais. Conforme os juízes, que presidem os Employment Tribunals na Inglaterra (Barry), País de Gales (Barry) e Escócia (Shona), retornar às formas pré-pandêmicas de trabalho não é uma opção válida.

O futuro envolverá mais (e não menos) uso de tecnologia

De acordo com Barry e Shona, é importante refletir sobre os aprendizados desde o início da pandemia e manter o que está funcionando bem, mesmo depois de seu término. As audiências virtuais são, aliás, um exemplo. Barry e Shona acreditam, em síntese, que o formato será uma parte essencial dos tribunais trabalhistas pelos próximos dois anos.

Devemos refletir sobre o que aprendemos e garantir que manteremos o que é bom. O futuro envolverá mais, e não menos, uso de tecnologia. – Barry Clarke e Shona Simon

Os tribunais trabalhistas britânicos estão tendo de lidar com um número cada vez maior de casos desde 2017, quando as custas para ingressar com as reclamações foram abolidas. O cenário, que já estava crítico, foi potencializado pela pandemia. O número de novas reclamações vinculadas a “COVID-19” e “coronavírus” aumentou substancialmente.

uso de tecnologia 01

É provável que você goste:

Irlanda do Norte revela sua visão para o futuro dos tribunais

Como consequência do aumento de casos, na Inglaterra e no País de Gales e Escócia já são mais de 50 mil reclamações pendentes de julgamento. O patamar, aliás, é 45% (quarenta e cinco por cento) maior quando comparado à referência pré-pandemia. O número deve aumentar ainda mais, levando os magistrados a apostarem no uso de tecnologia:

Um retorno às formas pré-pandêmicas de trabalhar (…) não é uma opção para os tribunais trabalhistas. – Barry Clarke e Shona Simon

Tanto Barry quanto Shona vislumbram, portanto, um futuro no qual as audiências virtuais serão essenciais aos tribunais trabalhistas. Reivindicações de pequena monta, medidas provisórias e mediações judiciais podem perfeitamente ser solucionadas em tal formato. As audiências físicas ainda existirão, mas apenas para casos de maior complexidade.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Faculdades de Direito apostam em laboratórios de Legal Design

Próximo

Empresas apostam em ferramentas para gerenciar o legado digital