O que os profissionais do Direito esperam de 2021?

A empresa Mitratech, especializada em soluções de conformidade e mitigação de riscos, lançou um white paper sobre o futuro do mercado jurídico. O documento apresenta os principais resultados de um survey conduzido pela ALM Media, contratada pela Mitratech para tal finalidade. Afinal, o que os profissionais do Direito esperam de 2021?

Metodologia e participantes

O levantamento contou com a participação de consultores jurídicos, advogados privados, advogados corporativos, paralegais e secretários jurídicos. Em suma, o survey teve um total de 13 perguntas, sendo a maioria de múltipla escolha e com a possibilidade de marcar até três opções. A última pergunta, sobre previsões do próprio participante, era aberta.

O que os profissionais do Direito esperam de 2021?

Confira, a seguir, algumas das conclusões da pesquisa:

Gestão de contratos e assunto jurídicos como prioridades

O survey questionou, em primeiro lugar, quais tecnologias os participantes pretendiam aumentar o uso em 2021. Foi apresentada uma lista com dez opções, das quais era possível selecionar até três. Em síntese, as ferramentas de gestão de contrato (44%) e gestão de assuntos jurídicos (42%) foram as principais escolhas dos participantes:

os profissionais do Direito 01

É provável que você goste:

Legal analytics está perto de seu ponto de inflexão, sugere especialista

Pouca compreensão em relação à inteligência artificial

Questionados se a inteligência artificial (IA) e o machine learning serão parte do roadmap tecnológico em 2021, 19% dos participantes afirmaram que não; e 44% não sabiam ou não tinham certeza sobre como tais tecnologias se encaixariam na estratégia geral do negócio. As respostas sugerem, em suma, que há pouca compreensão em relação à IA:

os profissionais do Direito 02

Privacidade e proteção de dados como pautas relevantes

O survey questionou, além disso, as pautas que serão foco de atenção em 2021. Foram apresentadas nove opções, e os participantes poderiam assinalar até três. Mais da metade (56%) dos respondentes marcou a opção privacidade e proteção de dados. Em seguida, aliás, veio a utilização de plataformas colaborativas (40%), como Zoom, Slack e Teams:

os profissionais do Direito 03

Trabalho remoto não deve terminar tão cedo

O trabalho remoto, antes tão criticado, passou a ser amplamente aceito desde o início da pandemia. Questionados se pretendem continuar no formato, a maioria dos participantes, tanto vinculada a escritórios de advocacia quanto a departamentos jurídicos, respondeu que enxerga entre 76% a 100% de sua equipe trabalhando remotamente em 2021:

Íntegra do white paper

Clique AQUI para ler o documento completo.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Programa ‘Justiça 4.0’, do CNJ, já é realidade em diversos tribunais

Próximo

Irlanda do Norte revela sua visão para o futuro dos tribunais