Visual Law: o que pensam os magistrados brasileiros sobre elementos visuais em petições?

O Visual Law vem adquirindo espaço no Brasil e criando novos horizontes de atuação para os advogados. Atentos à tendência, escritórios já oferecem serviços exclusivos para transformar contratos e termos de uso em documentos claros, interativos e compreensíveis. Ao mesmo tempo, elementos visuais em petições já são uma realidade, tendo como objetivo principal tornar a leitura mais aprazível aos seus destinatários – os magistrados.

O que pensam os magistrados brasileiros sobre elementos visuais em petições?

Embora a utilização de Visual Law em documentos seja embasada em dezenas de pesquisas – segundo as quais elementos visuais melhoraram a compreensão e retenção das mensagens comunicadas –, não há pesquisas sérias a respeito. Afinal, o que pensam os magistrados brasileiros acerca do tema? Qual a opinião dos julgadores sobre elementos visuais em petições? Em síntese, como os juízes se posicionam a respeito dessa nova prática?

Esses questionamentos tomaram meus pensamentos nos últimos dias, enquanto preparava uma palestra para os alunos da ULBRA. Decidi dar um passo adiante e conduzir uma pesquisa ampla sobre Visual Law no País, de modo a entender se há (ou não) receptividade dos magistrados a respeito do campo. Como conheço as dificuldades intrínsecas de qualquer pesquisa e, portanto, decidi convidar você, leitor(a), a participar do levantamento.

É provável que você goste:

3 episódios de podcasts para saber mais sobre Visual Law

Como vai  funcionar a pesquisa

A pesquisa será divida em duas etapas, sendo a primeira quantitativa e a segunda qualitativa. Em suma, na etapa quantitativa será adotado o método de pesquisa survey, usado para coletar dados de um grupo pré-definido de participantes, com objetivo de obter informações e insights sobre tópicos de interesse. O survey será encaminhado a magistrados brasileiros, de modo a entender o que pensam sobre elementos visuais em petições.

elementos visuais em petições 01
A pesquisa será divida em duas etapas

Já a segunda etapa qualitativa envolverá a aplicação de entrevistas, para obter dados aprofundados e compreender melhor a visão dos magistrados sobre o tema. Enquanto a primeira etapa busca entender quantos (%) magistrados brasileiros são receptivos em relação às técnicas de Visual Law em petições, a segunda se destina a compreender (a partir de um número menor de participantes) por que os elementos visuais (não) são aceitos.

Chamada para pesquisa

Se você tem interesse em contribuir com a pesquisa, na condição de pesquisador(a), auxiliando a compreender como os magistrados se posicionam em relação a elementos visuais em petições, peço que envie um e-mail para contato@bernardodeazevedo.com. O e-mail deverá conter seu nome completo, seu cargo/profissão e uma breve justificativa (1-2 linhas) contando o porquê do interesse em participar da pesquisa.

Os resultados da pesquisa serão compilados em material próprio, a ser disponibilizado gratuitamente para a comunidade jurídica.

Será um prazer contar com sua participação! Vamos juntos?


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

10 tecnologias que mudaram a prática jurídica ao longo da história

Próximo

Busca Legal pretende revolucionar a área fiscal com computação cognitiva