Os impactos da COVID-19 nos escritórios de advocacia

O Centro de Estudos de Sociedades de Advogados (CESA), em parceria com a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), disponibilizou uma pesquisa sobre os impactos da COVID-19 nos escritórios de advocacia. Em suma, o levantamento coletou 649 respostas, de modo a entender como advogados e advogadas estão enfrentando a crise.

Os impactos da COVID-19

No total, participaram da pesquisa profissionais dos seguintes estados da Federação: Amazonas (AM), Bahia (BA), Ceará (CE), Espírito Santo (ES), Minas Gerais (MG), Santa Catarina (SC), São Paulo (SP), Sergipe (SE), Pará (PA), Paraíba (PB), Paraná (PR), Pernambuco (PE), Rio Grande do Norte (RN), Rio Grande do Sul (RS), Rio de Janeiro (RJ).

Não houve respostas de profissionais dos seguintes estados: Acre (AC), Alagoas (AL), Amapá (AP), Distrito Feral (DF), Goiás (GO), Maranhão (MA), Mato Grosso (MT), Mato Grosso do Sul (MS), Piauí (PI), Rondônia (RO), Roraima (RR) e Tocantins (TO). À exceção da região centro-oeste, portanto, todas as demais foram abrangidas no levantamento.

Novas demandas de trabalho durante a pandemia

Questionados sobre as novas demandas de trabalho durante a pandemia, os entrevistados, em sua maioria, responderam que houve queda. Só para ilustrar: 28% dos participantes responderam que a demanda caiu até 20% e 25% responderam que a demanda caiu entre 21% e 50%. Além disso, 22% responderam que a demanda caiu entre 51% e 70%.

Os dados coletados pelo levantamento relevam, em síntese, que três quartos (75%) dos profissionais participantes enfrenta dificuldades em meio à crise. Para a maioria dos participantes da pesquisa, portanto, a pandemia da COVID-19 reduziu as demandas de trabalho, afetando, significativamente, o faturamento de seus escritórios de advocacia.

Adoção de soluções tecnológicas durante a pandemia

O levantamento também revelou que apenas 22% dos escritórios utilizam soluções tecnológicas oferecidas por lawtechs e legaltechs. A pesquisa não se deteve a analisar quais modalidades de soluções são mais utilizadas, mas tão somente o percentual de adoção:

os impactos 01

Além disso, a pesquisa demonstrou que a adoção de novas tecnologias aumenta conforme o tamanho do escritório. Ou seja, quanto mais profissionais integrarem o escritório de advocacia, maior é a probabilidade de adoção de soluções tecnológicas:

os impactos 02

Medidas tomadas para manter ou aumentar a demanda de trabalho

Questionados sobre as medidas tomadas para manter ou aumentar a demanda de trabalho durante a pandemia, mais da metade (56%) dos participantes referiu que enviou e-mails aos clientes com atualizações sobre a COVID-19. Além disso, 53% dos entrevistados responderam que estão publicando atualizações acerca da crise em mídias sociais:

Os impactos da COVID-19 e ferramentas de home office

Já em relação às ferramentas tecnológicas adotadas para tornar o home office viável, a grande maioria dos entrevistados informou que está utilizando dispositivos de videochamadas para reuniões virtuais, seja entre a própria equipe (78%), seja com clientes (76%). Mais da metade (55%) também está utilizando ferramentas de compartilhamento de arquivos:

Enfim, clique AQUI para conferir a pesquisa completa.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Para juiz canadense, mundo pós-pandemia deverá ter menos oralidade e mais papel

Próximo

Reinventar o escritório de advocacia: se não agora, quando?