Reino Unido lança programa para acelerar a transformação digital no setor jurídico

O Ministério da Justiça do Reino Unido, em parceria com a plataforma Tech Nation, recentemente lançou o Lawtech Sandbox Pilot. O programa foi pensado e planejado para acelerar a transformação digital no setor jurídico. O objetivo, em suma, é fornecer suporte a startups que estão desenvolvendo tecnologias jurídicas para o mercado britânico.

Acelerando a transformação digital no setor jurídico

O Reino Unido está atravessando um processo de reinvenção dos serviços jurídicos, para atender as demandas de uma sociedade cada vez tecnológica. Sendo assim, o Lawtech Sandbox Pilot busca criar um ambiente para testar novas ideias, modelos e soluções. O programa piloto já selecionou cinco startups, que receberão suporte para expandir as atividades:

O Lawtech Sandbox foi projetado para acelerar a transformação digital do setor jurídico, fornecendo suporte direcionado para aqueles que estão construindo tecnologia jurídica revolucionária, trabalhando junto com eles para ajudar a elevar os padrões para os negócios e a sociedade. Jenifer Swallow (Diretora da Tech Nation)

É provável que você goste:

Serão as lawtechs as novas fintechs?

a transformação digital 01
O Lawtech Sandbox Pilot terá três meses de duração

Lawtechs selecionadas para o programa

A primeira startup selecionada para o programa é a Amplifi. Ela utiliza inteligência artificial para tornar informações complexas como termos, condições e atualizações regulatórias em algo mais fácil de entender, com base no perfil dos usuários. A solução identifica elementos comuns em documentos jurídicos e, então, organiza todas as informações.

Clause é a segunda lawtech escolhida. Ela está desenvolvendo uma biblioteca de código aberto para documentos jurídicos, com objetivo de reduzir ineficiências e custos. Os documentos jurídicos são normalmente formados por textos não estruturados, o que torna difícil analisar os dados neles contidos. A Clause pretende, em suma, resolver o problema.

A terceira lawtech nomeada é a ClauseMatch, que está construindo uma plataforma para colaboração de documentos inteligentes. O sistema, baseado em inteligência artificial, permite criar, editar, atualizar e gerenciar documentos de governança e de conformidade. Além disso, permite que empresas e organizações automatizem determinados procedimentos.

O Deep Tech Dispute Resolution Lab é a quarta startup selecionada para o programa. Ela está desenvolvendo uma ferramenta para evitar disputas e riscos, com base em técnicas avançadas de machine learning. O sistema classifica e analisa dados dentro de organizações e, então, detecta automaticamente possíveis conflitos com clientes e fornecedores.

Finalmente, a Legal Utopia é a quinta lawtech designada ao Lawtech Sandbox Pilot. A startup tem como missão ajudar pequenas e médias empresas a revisar e compreender documentos jurídicos instantemente. A solução desenvolvida é capaz de identificar e avaliar uma ampla gama de problemas jurídicos e “traduzi-los”, eliminando o juridiquês.

Sandbox

O Lawtech Sandbox Pilot já iniciou e terá, em síntese, três meses de duração.


Enfim, quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Audiências virtuais tornam os julgamentos mais difíceis, afirma advogado britânico

Próximo

Susskind: tribunais estão passando por um “experimento não programado” no uso de tecnologias