Serão as lawtechs as novas fintechs?

O número de lawtechs cresce ao redor do globo, levando especialistas a questionarem se elas ocuparão o espaço que as fintechs ocupam nos dias de hoje. Há quem acredite que jamais será realidade, pois os profissionais do Direito não são ousados o bastante para inovar. Mas há, ao mesmo tempo, quem esteja convencido de que as lawtechs serão as novas fintechs.

Lawtechs, as novas fintechs?

Na visão de Mark Beer, especialista em tecnologia jurídica, as lawtechs serão a nova fronteira para transformar o Direito. De 2014 até 2019 foram mais de US$ 12,5 bilhões investidos em soluções tecnológicas para o mercado jurídico. Embora as lawtechs ainda tenham um longo caminho a percorrer, o potencial de superar as fintechs parece claro ao especialista:

Em um canto do ringue, temos a confluência perfeita de poder de processamento, tecnólogos e investimentos e, no outro, temos um sistema envelhecido, ineficiente e antiquado (…). Não é difícil prever o resultado! – Mark Beer

O mercado de tecnologia jurídica está crescendo exponencialmente desde 2014, mas até o momento nenhum país assumiu a liderança no setor. Conforme Mark Beer, no momento em que alguma nação for mundialmente reconhecida como líder em tecnologia jurídica, as lawtechs vão conseguir “deslanchar”. E apostas do especialista vão para o Cazaquistão.

É provável que você goste:

Como as lawtechs e legaltechs estão remodelando a prática jurídica

as lawtechs 01
O mercado de tecnologia jurídica está crescendo exponencialmente desde 2014

Mas por que o Cazaquistão?

Conforme Mark Beer, nesse país está localizado o Astana International Financial Center (AIFC), que é o primeiro centro financeiro internacional a concentrar suas energias no mercado de tecnologia jurídica. Além disso, o conselho consultivo do AIFC é composto de líderes mundiais do segmento, o que leva Mark a acreditar ainda mais no Cazaquistão:

Existe uma oportunidade de trazer o ponto focal global da tecnologia jurídica para o Cazaquistão. Como o AIFC é o primeiro centro financeiro internacional a se concentrar nisso, o Cazaquistão pode liderar o mundo na entrega de um mundo mais justo, no qual todos tenham acesso à justiça. – Mark Beer


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

LawVision oferece soluções de BI para escritórios de advocacia

Próximo

Os tribunais enfrentam 3 desafios durante a pandemia; saiba quais são eles