Singapura aposta em tecnologia para transformar o setor jurídico

A pandemia está exigindo dos advogados a adoção de novas tecnologias para manterem suas atividades e se destacarem no competitivo mercado jurídico. Em Singapura, a “Suíça asiática”, mais de 25 lawtechs estão enxergando o cenário como oportunidade para oferecer suas soluções tecnológicas a escritórios de advocacia e departamentos jurídicos.

O mercado de tecnologia jurídica em Singapura

Países como Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia estão investindo em tecnologia, mas em nenhuma dessas nações os investimentos são tão expressivos como em Singapura. A cidade-estado asiática conta com o apoio do governo, cujos aportes financeiros para estimular a criação de um ambiente de inovação ultrapassam o patamar de US$ 15 milhões.

Em parceria com a Law Society, o governo lançou um programa para fomentar a inovação no mercado jurídico. Em síntese, o objetivo é estimular escritórios de advocacia a adotarem novas tecnologias em suas rotinas, como softwares para gestão de contratos, descoberta eletrônica (e-Discovery), revisão de documentos e pesquisa jurisprudencial.

Singapura 01
A cidade-estado asiática conta com o apoio do governo

O desejo de se tornar o maior centro de tecnologia jurídica do mundo fica claro também pelo aporte de US$ 15 milhões que o governo concedeu à Singapore Management University, para financiar um programa de pesquisa. A iniciativa desenvolverá novas tecnologias para o setor jurídico e será coordenada pela faculdade de Direito da universidade.

É provável que você goste:

Como Singapura está se tornando o maior centro de tecnologia jurídica do mundo

Tecnologia jurídica e iniciativas privadas

Além do apoio do governo, escritórios de advocacia estão colaborando para estimular a inovação em Singapura. Em 2017, o Allen & Overy lançou o Fuse, um espaço de inovação onde startups podem colaborar entre si para desenvolver e testar soluções tecnológicas. O Clifford Chance, aliás, também lançou um laboratório de inovação com objetivos similares.

Mais de 25 lawtechs já estão operando em Singapura

É bem verdade que as lawtechs singapurianas enfrentam contratempos por conta da pandemia. Também é verdade que os escritórios de advocacia e departamentos jurídicas estão em dúvida sobre investir, formar parcerias ou adquirir startups em meio à crise. Mas tudo parece apontar que soluções tecnológicas são um caminho sem volta para o setor jurídico.

Aguardemos, enfim, as cenas dos próximos capítulos.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Embalsamadores digitais: quem são esses profissionais?

Próximo

Resolução do CNJ dispõe sobre uso de inteligência artificial no Poder Judiciário