T-Shaped Skills: advogados devem se restringir às suas especialidades?

Recente relatório do Fórum Econômico Mundial revelou que 1/3 das habilidades consideradas essenciais no mercado de trabalho não serão mais necessárias até 2020. O estudo demonstra, entre outros aspectos, o quão importante é assumir a postura de aprendiz no ambiente profissional, através do desenvolvimento contínuo de novas habilidades. É nesse contexto que se insere o tema de hoje: as T-Shaped Skills.

T-Shaped Skills

O conceito T-Shaped Skills não é exatamente novo. Referências a habilidades e “profissionais em forma de T” existem desde os anos 90 (em setembro de 1991, David Guest desenvolveu a ideia em artigo publicado no The Independent). Hoje, o termo é empregado para se referir a alguém que, além de possuir domínio profundo de uma disciplina, combina esse domínio com habilidades e conhecimento de outras áreas/campos.

Metaforicamente, os “profissionais em forma de T” são “profissionais em forma de I” (tradicionais) aprimorados. A imagem a seguir facilita a compreensão: a barra vertical (“I”) representa a profundidade das habilidades e conhecimentos relacionados a uma única disciplina; já a barra horizontal (“T”) representa a capacidade de colaborar com várias disciplinas e aplicar conhecimentos em campos/áreas diferentes das suas.

É provável que você goste:

Continuous reskilling: o advogado deve continuamente desenvolver novas habilidades

T-Shaped Skills 01

Bons advogados normalmente têm habilidades e conhecimentos jurídicos profundos, mas pouco sabem sobre design thinking, data analytics e tecnologia. Embora muitos tenham triunfado em suas carreiras sem se preocupar “além do I”, a crise do ensino jurídico, os desafios das novas tecnologias, as mudanças no mercado jurídico e os novos dilemas éticos da advocacia estão exigindo novos tipos de profissionais.

A adaptação das T-Shaped Skills ao contexto do Direito surge em resposta a todos esses obstáculos. Em síntese, o que se propõe com o conceito é ensinar, informar e alertar os profissionais que, ao adotar uma postura “em forma de T”, as chances de terem êxito profissional são significativamente maiores. Em suma, ao atuar de forma transdisciplinar – sem fronteiras entre as disciplinas –, maiores serão as chances de “alçar voo”.

Postura de atuação transdisciplinar

Ser um “profissional em forma de T” é saber trabalhar em conjunto com outras disciplinas. É estar inclinado a “invadir” outras áreas do conhecimento para dissecá-las e compreendê-las. É “abraçar” o caso que foi trazido ao seu escritório sem “lavar as mãos”, ou seja, sem transferir a análise de questões pontuais a especialistas de outras áreas. A própria natureza do Direito assim exige, como destaca Letícia de Souza Furtado,

O Direito é um só. Um macrossistema todo interligado, especialmente untado pela Constituição, voltado à implementação de uma convivência harmônica entre os homens. É uma ciência aberta, essencialmente transdisciplinar, já que busca reger o mundo social sem deixar de observar o mundo da natureza. Transdisciplinar porque agrega diversos ramos – de Direito Público e de Direito Privado – que lhe são próprios, com uma finalidade superior, comum a todos; transdisciplinar também porque dialoga com outras ciências – como a antropologia, sociologia, psicologia, etc.

Como advogados, somos essenciais à administração da justiça. Em pleno século XXI, no auge do desenvolvimento tecnológico, num mundo no qual as relações humanas estão cada vez mais complexas, não faz sentido restringirmos nossa linguagem e nossa capacidade de compreender os problemas que nos chegam através de nossos constituintes. Não há, portanto, por que nos restringirmos aos limites de nossa especialidade.

Concluo com a excelente reflexão de Letícia de Souza Furtado,

Está na hora de assumirmos nosso papel no mundo, a começar por aquele que devemos desempenhar na vida de nossos clientes. Eles sempre nos trazem questões mais amplas do que podemos tratar nos limites de nossa especialização.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Como as novas tecnologias estão afetando o trabalho dos advogados

Próximo

Com que frequência você pensa sobre o futuro do Direito?