TJDFT cria laboratório de inovação

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) instituiu, por meio da resolução 8/2020, seu próprio laboratório de inovação. Em síntese, a iniciativa tem por objetivo fomentar a cultura de inovação, bem como apoiar o desenvolvimento de projetos críticos de transformação dos processos e serviços oferecidos pelo TJDFT.

O laboratório de inovação do TJDFT

O laboratório de inovação será um espaço lúdico de interação, experimentação e criação conjunta. Conforme a resolução, os membros da iniciativa adotarão métodos ágeis e práticas colaborativas, tais como “ações de pesquisa, exploração, ideação, realização de pilotos, prototipagem e testes estruturados de soluções inovadoras, com foco no usuário”.

De acordo com o documento, o laboratório de inovação será formado por equipes multidisciplinares. Além disso, será “de livre acesso e utilização, para desenvolvimento de iniciativas que estimulem o envolvimento e a cooperação ativa de magistrados, servidores, jurisdicionados e demais colaboradores nas ações e projetos de inovação”.

Entre as atribuições do laboratório estão a realização de acordos, parcerias e formação de redes, para trocar experiências e desenvolver projetos de inovação; realizar eventos e ações para compartilhamento de conhecimento e ideias; promover cursos e treinamentos, em parceria com a Escola de Formação Judiciária Ministro Luiz Vicente Cernicchiaro.

TJDFT 01
A iniciativa tem por objetivo fomentar a cultura de inovação

Somado ao laboratório de inovação, o TJDFT vem apostando em sistemas de automação e de inteligência artificial para aprimorar os serviços judiciais. Os investimentos vão desde tecnologias de reconhecimento facial para identificar os visitantes na portaria, como o sistema Amon, até ferramentas para agilizar procedimentos rotineiros do tribunal.

Experiências de outros tribunais

Além do TJDFT, outros tribunais brasileiros estão investindo em laboratórios de inovação. Só para ilustrar: o Tribunal de Justiça da Bahia (TJAB) lançou o LabJus, para melhorar a prestação jurisdicional. Já o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) recentemente inaugurou seu laboratório de ciência de dados jurídicos e inteligência artificial (LabCDJ).


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Escritórios de advocacia do futuro serão “mesclados”, sugere especialista

Próximo

MPDFT ajuíza primeira ação civil pública com base na LGPD