TJGO vai instalar laboratório de inovação e inteligência

O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) instalará um laboratório de inovação e inteligência. A unidade, instituída pelo Decreto Judiciário nº 391/2020, deverá ser implementada nos próximos dias. Com o laboratório, o TJGO busca atender a estratégia nacional no âmbito do Poder Judiciário, imposta pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Laboratório de inovação e inteligência do TJGO

O laboratório de inovação e inteligência será um espaço destinado à realização de pesquisas, ao estudo e desenvolvimento de projetos e soluções inovadoras. Em síntese, o objetivo é atender os objetivos estratégicos e metas nacionais e institucionais do Poder Judiciário. Além disso, a iniciativa busca – a longo prazo – aprimorar a própria prestação jurisdicional.

TJGO 01
O TJGO busca atender a estratégia nacional no âmbito do Poder Judiciário

É provável que você goste:

Advogados corporativos estão ansiosos, estressados e cansados, revela pesquisa

Participação de magistrados e servidores

De acordo com o ato que institui a unidade, o laboratório contará com a participação de magistrados, servidores e demais usuários do serviço jurisdicional. A ideia, em resumo, é que todos possam interagir no ambiente, desenvolvendo atividades conjuntas, trocando dados e conhecimentos, para, desse modo, aprimorar as práticas de gestão do TJGO.

Ainda conforme o documento, o laboratório poderá atuar em conjunto com outros laboratórios ou agentes de inovação do setores público e privado que possuam a mesma finalidade. Além disso, o decreto também abre espaço à participação do público interno e externo do Judiciário, de modo a contribuir com as iniciativas de inovação a serem realizadas.

Clique AQUI para ler Decreto Judiciário nº 391/2020, que institui o laboratório de inovação e inteligência.

Experiências de outros tribunais

Além do TJGO, outros tribunais brasileiros estão investindo em laboratórios de inovação e novas práticas. O Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN) está apostando em sistemas para automatizar ações repetitivas. Já o Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES) está investindo sessões online de mediação e conciliação.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Advogados corporativos estão ansiosos, estressados e cansados, revela pesquisa

Próximo

Grupo de pesquisa lança fórum para reunir conteúdos sobre Direito Digital