Trabalho remoto não é o futuro da advocacia, sugere futurista

A pandemia está modificando a forma como os profissionais exercem suas atividades. Escritórios de advocacia ao redor do mundo estão avaliando inclusive adotar o trabalho remoto de forma permanente, seja para reduzir custos, seja por supor que, nesse modelo, haverá ganhos de produtividade. Mas há quem acredite que o trabalho remoto não é o futuro.

Trabalho remoto não é o futuro da advocacia

A opinião é de Amy Webb, uma das futuristas mais renomadas dos Estados Unidos. Autora do livro The Signals Are Talking (2016), Amy afirma que, sempre quem uma nova mudança é imposta a nós, rapidamente somos inclinados a pensar que o novo presente é o futuro. Contudo, o raciocínio está equivocado, sobretudo quando o assunto é o trabalho remoto.

Conforme a futurista, a mudança para o trabalho remoto começou há aproximadamente 15 anos, quando os escritórios adotaram o formato de “plano aberto”. À época, pesquisas demonstraram que a produtividade diminuiu significativamente após a implementação do modelo. Além disso, houve um aumento nos níveis de estresse entre os profissionais.

É provável que você goste:

Legal analytics é o futuro da advocacia, sugere especialista

trabalho remoto 01
A futurista simplesmente não enxerga o trabalho remoto como o futuro

O mundo pós-pandemia

Webb reconhece que há muita especulação sobre o futuro do trabalho no mundo pós-pandemia. De acordo com ela, embora a maioria dos profissionais – incluindo os profissionais do Direito – esteja trabalhando remotamente e realizando reuniões via videoconferência, essas práticas não continuarão após a crise, ou seja, quando os efeitos da pandemia cessarem.

A futurista simplesmente não enxerga o trabalho remoto como o futuro, seja na advocacia, seja em qualquer outro setor profissional. Isso porque os seres humanos são sociais e se saem bem em espaços colaborativos. Amy Webb conclui que, após o término da pandemia, haverá um novo conjunto de práticas adotadas pelas empresas e escritórios de advocacia.

Mas nenhuma delas põe o trabalho remoto no topo de suas prioridades.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Legal analytics é o futuro da advocacia, sugere especialista

Próximo

Software que lê emoções promete identificar “criminosos” antes de agirem