Universidades dos EUA apostam em novas metodologias para lidar com o Direito 4.0

A Quarta Revolução Industrial – caracterizada pelo estreitamento de limites entre os mundos físico, biológico e digital – está influenciando todas as indústrias e setores, incluindo o Direito. Atentas às tendências do mundo jurídico, universidades ao redor do mundo estão reorganizando suas estruturas curriculares e criando programas inovadores para suprir as necessidades de um mercado em rápida transformação.

Universidades apostam em novas metodologias

Só para ilustrar: ao menos cinco faculdades de Direito estadunidenses que já deram os primeiros passos para preparar seus alunos aos desafios do “novo mundo” do Direito. Em suma, são elas: (1) Harvard Law School (Cambridge, MA); (2) Stanford Law School, (Stanford, CA); (3) University of Miami School of Law (Miami, FL); (4) Suffolk University Law School (Boston, MA); e (5) Northeastern University School of Law (Boston, MA).

Conheça, então, mais detalhes das iniciativas.

1. Harvard Law School

A renomada Harvard Law School recentemente implementou o Law, Science, and Technology Program of Study (LSTP). Em resumo, o programa se destina a orientar os alunos a compreender as interseções entre o Direito, a ciência e a tecnologia. O LSTP está agrupado em quatro módulos, abrangendo (1) Direito de Tecnologia e Liberdades Civis; (2) Direito de Propriedade Intelectual; (3) Direito da Saúde; e (4) Direito da Internet.

  • Enfim, clique AQUI para saber mais sobre o programa.

2. Stanford Law School

Acompanhando as tendências do mercado jurídico, a Stanford Law School fundou o CodeX, centro de pesquisa que reúne estudantes, empreendedores, advogados e tecnólogos para estudar algoritmos e inteligência artificial. Só para ilustrar: a ênfase do CodeX está na pesquisa e desenvolvimento do Direito Computacional. Trata-se, em síntese, do ramo da informática relacionado à automação e mecanização da análise jurídica.

  • Enfim, clique AQUI para saber mais sobre o centro de pesquisa.

É provável que você goste:

2 disciplinas que deveriam ser obrigatórias em todo curso de Direito

3. University of Miami School of Law

A University of Miami School of Law implementou o inovador programa LawWithoutWalls (LWOW). A iniciativa, liderada pela professora Michele DeStefano, reúne estudantes, professores, especialistas, profissionais e empresários do mondo todo. Em síntese, o objetivo do LWOW é co-criar soluções inovadoras para problemas que envolvem as interseções entre o direito, os negócios e a tecnologia.

  • Enfim, clique AQUI para saber mais sobre a iniciativa.

4. Suffolk University Law School

Com objetivo de preparar os alunos para o mercado jurídico em evolução, a Suffolk University Law School fundou o Institute on Legal Innovation & Technology. Em resumo, o instituto se destina a supervisionar projetos para melhorar a prática jurídica e a prestação de serviços jurídicos. Além disso, busca fornecer aos alunos o conjunto de conhecimentos e habilidades necessárias para atuar no mercado jurídico do futuro.

  • Enfim, clique AQUI para saber mais sobre o instituto.

5. Northeastern University School of Law

A Northeastern University School of Law recentemente implementou o NuLawLab, um laboratório de inovação com enfoque interdisciplinar. Em suma, a iniciativa busca promover a democratização do acesso à justiça, por meio do desenvolvimento de ferramentas e soluções jurídicas de forma colaborativa. Aliás, o laboratório da universidade também já firmou parcerias com diversas entidades ao redor do mundo.

  • Enfim, clique AQUI para saber mais sobre o laboratório.

Você já conhecia alguma das iniciativas?

Deixe seu comentário abaixo!


Quer estar por dentro de tudo que envolve as novas metodologias adotadas por universidades mundo afora?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

10 podcasts sobre Direito, inovação e tecnologia para acompanhar em 2020

Próximo

3 livros sobre inteligência artificial e Direito para ler em 2020