Visual Law: como apresentar recortes de vídeos em petições

Recentemente escrevi um artigo sobre como utilizar vídeos em petições. No texto, uma das técnicas de Visual Law que sugeri foi apresentar recortes de vídeos dos depoimentos, para realçar trechos específicos daquilo que foi dito. Hoje é comum o advogado, ao expor suas razões escritas, indicar o local onde o vídeo está (evento), transcrever trechos do depoimento e indicar o tempo exato em que as palavras foram ditas.

Apresentando recortes de vídeos em petições

O que recomendei, na ocasião em que escrevi o texto, foi apresentar recortes de vídeos. Ou seja, em vez de transcrever o que a testemunha disse, palavra por palavra, apontando os minutos e segundos exatos, o advogado apresentaria, em vídeo, o exato trecho do depoimento. A técnica faz todo sentido no âmbito da Justiça Federal, pois os depoimentos são gravados em vídeo e ficam disponíveis ao profissional para download.

Por si só, a técnica de apresentar recortes de vídeos é um avanço na produção probatória. Afinal, dificilmente o juiz assistirá a todos os depoimentos gravados. E, ainda que assista a todos eles, não lembrará dos trechos mais relevantes. Portanto, no momento em que o advogado apresenta um recorte de vídeo na petição eletrônica, maiores são as chances de que o magistrado aperte o play e assista ao trecho do depoimento.

Com a técnica, o que muda na prática?

Na prática, o advogado apresenta normalmente seus argumentos, mas substitui as transcrições dos depoimentos por recortes de vídeo (ou, se preferir, mantém as transcrições, mas inclui os recortes de vídeo). Hoje é possível recortar um vídeo sem dificuldades (se você pesquisar online video cutter no Google, encontrará sites para fazer o procedimento). Além disso, é possível integrar o vídeo no corpo da própria peça processual.

Em síntese, em vez de fazer isto na petição…

recortes de vídeos 01

… o profissional poderia fazer isto (escolhi, só para ilustrar, o depoimento de Antonio Palocci, intensamente divulgado pela mídia):

recortes de vídeos 02

Capturando a atenção dos magistrados

O ideal é que o recorte do vídeo tenha poucos segundos de duração. Afinal, de nada adianta inserir trechos longos de depoimentos, pois, nessas condições, o magistrado não estará estimulado a assisti-los. Ser cirúrgico é, portanto, essencial. Já imaginou expor, em vídeo, o exato momento em que a testemunha “x” desmonta a tese da parte contrária? As chances de impactar o magistrado aumentam significativamente!

A técnica descrita não é complexa. Ainda assim, é pouco aplicada nos processos eletrônicos. Num cenário com quase 80 milhões de processos (Justiça em Números), em sua maioria repletos de depoimentos de testemunhas, entendo que toda e qualquer técnica capaz de melhorar a comunicação com os julgadores é bem-vinda. E, nesse cenário, os elementos visuais são, provavelmente, os mais poderosos instrumentos de comunicação.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Advogados ‘baby boomers’ são mais resistentes às novas tecnologias?

Próximo

Visual Law: como analisar a linguagem não verbal em petições