Enlighten oferece serviços de tecnologia para departamentos jurídicos

Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do Brasil. Na entrevista de hoje, recebi a Enlighten, uma plataforma que oferece serviços de tecnologia para departamentos jurídicos. Conversei com o Felipe Rodriguez Alvarez, CEO da startup, sobre o funcionamento da Enlighten e os planos para o futuro.

Conheça, então, mais detalhes da Enlighten:

1. Em primeiro lugar, como surgiu a Enlighten?

A Enlighten surgiu através de uma pesquisa envolvendo gestores que apresentaram a necessidade de contratar serviços de inovação e de consultoria especializada em Departamento Jurídico vindo de advogados, doutores em Direito e com notória reputação em gestão de projetos e desenvolvimento de sistemas.

2. Só para ilustrar: quais são os serviços oferecidos pela startup?

Hoje, a Enlighten é uma empresa binacional (EUA e Brasil) atuando em gestão de projetos, legal design, provisões e contingências, curadoria de dados em inteligência artificial e controladoria jurídica.

3. Qual é o diferencial da Enlighten em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Somos pioneiros em oferecer soluções integradas de departamentos jurídicos. Nós somos a primeira consultoria brasileira especializada em prover soluções exclusiva pra departamentos jurídicos.

Desde a indicação de um software, desenvolvimento, criação de campos e fluxos, organização e parametrização de dados e curadorias, a Enlighten detém expertise em todas essas operações. O corpo é formado por advogados, especializados em tecnologia da informação, com certificação em gestão ágil e Google Way, aumentando a eficiência das entregas.

4. Aliás, a Enlighten tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Em síntese, a Enlighten pretende democratizar a tecnologia para advogados. O compromisso dos fundadores é apresentar uma escalabilidade para qualquer advogado e em qualquer tempo, reorganizando as tarefas do advogado no século XXI.

É provável que você goste:

Legal Insights utiliza dados para otimizar as tomadas de decisão dos gestores jurídicos

5. Em resumo, quem são as pessoas por trás da startup?

Há um fundo de participações administrado pela família Rodriguez Alvarez, tendo como seu principal gestor o professor Felipe Rodriguez Alvarez, acadêmico da Universidade de São Paulo e com experiência de 15 anos em gestão de departamentos jurídicos e tecnologia, atuando em grandes multinacionais.

6. Enfim, quais são os planos da Enlighten para os próximos anos?

Em 2020, a Enlighten inaugurará o seu escritório em Nova Iorque, nos Estados Unidos. O objetivo é apresentar serviços de consultoria aos norte-americanos a considerar a metodologia inovadora entre Direito e Tecnologia. Além disso, a empresa pretende aumentar a exposição de softwares estrangeiros no mercado brasileiro, facilitando ao gestor jurídico opções de mercado.

Enfim, pretendemos nos próximos cinco anos consolidar inovação no mercado jurídico e desenvolver conexão entre Direito e Tecnologia, formando profissionais pela nossa academia de estudos entre Direito e Tecnologia (Enlighten Academy) e aumentando a exposição da tecnologia entre todos os advogados.


Então, você já conhecia a Enlighten?

Deixe seu comentário abaixo!


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Como os drones vão influenciar o futuro da prática jurídica

Próximo

O advogado 4.0 deve buscar o conhecimento ou a ignorância sofisticada?