Faculdades de Direito devem ensinar tecnologia aos estudantes, afirma reitora

Em recente palestra, a reitora de assuntos acadêmicos da North Carolina Central University School of Law (NCCUSL), April Dawson, afirmou que as faculdades de Direito devem ensinar tecnologia aos estudantes. Para ela, a competência em tecnologia deve integrar a estrutura curricular desde cedo, como forma de preparar os alunos para o mercado.

Faculdades de Direito devem ensinar tecnologia aos estudantes

Conforme Dawson, uma maneira fácil de ensinar tecnologia aos estudantes de Direito é incorporá-la em sala de aula. Como reitora de assuntos acadêmicos da NCCUSL, ela reformulou o currículo e incluiu duas novas disciplinas: law practice technology e law of technology (por não haver equivalência em português, optei por manter no original).

A primeira delas (law practice technology), mais prática, busca ensinar os estudantes a manusear ferramentas tecnológicas para trabalhar com mais eficiência. Já a segunda (law of technology), aliás, mais teórica, oferece aos alunos noções técnicas e mais aprofundadas sobre as diversas áreas do Direito, a partir do prisma tecnológico.

De acordo com Dawson, os diretores das faculdades de Direito devem começar a compreender os novos desafios do mercado jurídico. Há várias maneiras de se manterem atualizados. Mas a reitora considera essencial que os gestores participem de eventos de tecnologia jurídica, os quais reúnem profissionais com diferentes expertises e backgrounds:

Não dá para entender se eles ficam na torre de marfim da faculdade de Direito. – April Dawson

ensinar tecnologia 01

É provável que você goste:

Faculdades de Direito devem investir no ensino de tecnologia jurídica?

Competência em tecnologia

A reitora de assuntos acadêmicos da NCCUSL conclui, em suma, que a competência em tecnologia (tech competency) será cada vez mais exigida por clientes e pelo mercado como um todo. Incorporar law practice technology e law of technology nos currículos é, assim, um passo importante para preparar os estudantes ao mercado jurídico do futuro:

Quando pensamos na responsabilidade do advogado, existem níveis mínimos de competência, incluindo competência tecnológica. Alguns estados, incluindo a Carolina do Norte, exigem que os advogados façam vários cursos de tecnologia, e essa exigência tende a aumentar. Queremos ter certeza de que nossos graduados estão prontos para praticar [o Direito]. – April Dawson


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

STF cria comitê de proteção de dados para se adequar à LGPD

Próximo

Print screen serve como prova judicial?