Índia aposta em startups jurídicas para transformar o mercado jurídico

A Índia está dando seus primeiros passos rumo ao Direito 4.0. O escritório de advocacia Cyril Amarchand Mangaldas lançou recentemente a Prarambh, a primeira incubadora de startups de tecnologia jurídica do país. A empresa, com sede no interior do Cyril Amarchand em Nova Déli, realizou um processo para selecionar as legaltechs mais inovadoras. Só para ilustrar: três startups foram escolhidas dentre um 51 outras concorrentes.

Índia aposta em startups jurídicas

Conheça, a seguir, mais detalhes de cada uma das startups selecionadas:

1. JRT Intern

A primeira delas, JRTC Intern, é uma plataforma que conecta estudantes de Direito a oportunidades de estágio. A startup pretende criar uma solução em que todos ganham, tanto alunos quanto empresas. Em suma, os estudantes encontrarão bons estágios com base em suas habilidades, o que beneficiará as empresas, que terão bons estagiários. A longo prazo, a Índia terá melhores profissionais, fortalecendo o sistema judicial.

2. Leegality

Já a segunda startup selecionada foi a Leegality, uma plataforma que ajuda empresas a digitalizar e automatizar a assinatura de documentos. Em síntese, as soluções da startup têm por objetivo reduzir custos e economizar tempo dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. De acordo com o fundador Shivam Singla, os especialistas vinculados à Prarambh poderão ajudar a Leegality a escalar o negócio a médio prazo.

É provável que você goste:

Mongólia dá seus primeiros passos rumo ao Direito 4.0

3. LegalMind

A terceira selecionada foi a LegalMind, uma plataforma que utiliza inteligência artificial para pesquisa e gerenciamento de arquivos jurídicos. Em suma, a solução compreende a análise de julgamentos anteriores, de modo a auxiliar os profissionais da advocacia na tomada de decisões. O cofundador da LegalMind, Anubhav Mishra, está confiante de que os especialistas da Prarambh podem ajudar a criar ferramentas avançadas orientadas a dados.

Processo de incubação

As três startups agora estão sendo incubadas pela Prarambh, em Nova Déli, onde obterão orientações técnicas de especialistas, advogados e líderes do setor jurídico por seis meses. Durante o período, as selecionadas receberão aconselhamento de qualidade para que seus produtos finais atendam a comunidade jurídica em geral. Enfim, entre as pautas da mentoria estão: questões jurídicas, modelos de negócios, investimentos e estratégias.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

O possível adjacente: o Brasil está preparado para o Direito 4.0?

Próximo

Como ficar por dentro de tudo o que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?