Novo relatório britânico explora o futuro dos serviços jurídicos

O City of London Corporation, em parceria com a consultoria Oliver Wyman e a empresa de serviços múltiplos Arup, disponibilizou o relatório London Recharged: Our Vision for London in 2025. O report oferece uma série de recomendações para os próximos anos, em diversas áreas, com um capítulo específico sobre o futuro dos serviços jurídicos.

O futuro dos serviços jurídicos

Para construir o futuro dos serviços jurídicos, o relatório recomenda que os atores judiciários comecem a pensar os tribunais não como um lugar, mas como um serviço, garantindo o acesso como um pilar fundamental. As cortes devem investir em tecnologia para tornar os fluxos de trabalho mais ágeis e repensá-los a partir da perspectiva de seus destinatários:

Os tribunais devem ser abordados “como um serviço” e não como um lugar. – London Recharged

Outra recomendação, aliás, é equipar as instalações dos tribunais com recursos híbridos, para oferecer tanto audiências remotas quanto presenciais. De acordo com o relatório, os tribunais devem continuar realizando audiências remotas mesmo após a pandemia, como forma de ampliar o acesso à justiça, e manter as audiências presenciais em casos pontuais.

O relatório oferece recomendações para construir o futuro dos serviços jurídicos

É provável que você goste:

Reino Unido lidera mercado mundial de tecnologia jurídica

Audiências remotas e presenciais

O relatório sugere, além disso, que os tribunais avaliem os impactos de longo prazo das audiências remotas, para compreender o que pode ser melhorado. Oitiva de testemunhas e interrogatórios nem sempre precisam ocorrer presencialmente. O documento recomenda, em suma, que formalidades tradicionais das audiências presenciais sejam repensadas.

Outro ponto destacado pelo report é a necessidade de uniformizar as metodologias adotadas pelos tribunais. Muitas cidades no Reino Unido ainda não iniciaram o processo de digitalização, gerando atrasos na análise dos casos judiciais. O relatório sugere, portanto, acelerar o processo de digitalização e uniformizar a infraestrutura básica dos tribunais.

Incubadoras e aceleradoras

O relatório London Recharged recomenda que os governos devem continuar apoiando iniciativas como o LawTech Sounding Board, para reunir opiniões sobre como aumentar a adoção de tecnologia jurídica, e o incentivo também deve ocorrer, em suma, em relação aos programas de aceleração para o desenvolvimento de soluções tecnológicas.

Clique AQUI para conferir o relatório na íntegra.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Playtest: como funciona a Turivius

Próximo

Escritórios de advocacia serão mais colaborativos no futuro, afirma especialista