O mercado jurídico de 2021 na visão dos especialistas

Todos os anos, a empresa Aderant convida especialistas para prognosticar o mercado jurídico. Há poucos dias a gigante do software jurídico divulgou a nova edição anual de suas previsões, desta vez para o ano de 2021. O que o novo ciclo reserva para os profissionais do Direito? Reuni a seguir alguns dos prognósticos para o mercado jurídico deste ano:

1. A adoção de tecnologia pelos profissionais do Direito será ainda maior

De acordo com David Galbenski, fundador da Lumen Legal, muitas das tecnologias inicialmente programadas para chegar em 2025 ou 2030 serão adotadas amplamente em 2021. Em síntese, a pandemia acelerará drasticamente o cronograma de transformação do setor jurídico, fomentando a entrega de serviços criativos e novos modelos de parcerias.

2. Escritórios de advocacia vão apostar em sedes “satélites”

Conforme Jordan Furlong, diretor da Law 21, escritórios de advocacia de médio e grande porte começarão a estruturar sedes “satélites” em locais suburbanos. Os profissionais poderão trabalhar em tais sedes sem precisar se submeter a longos trajetos. Os ambientes serão facilmente acessíveis, portanto, e incentivarão uma cultura de coesão no escritório.

Sobre o mercado jurídico, é provável que você goste:

4 previsões de especialistas para o mercado jurídico de 2020

3. Escritórios de advocacia vão confiar mais nos dados

Os escritórios de advocacia confiarão mais na tecnologia em 2021 e, mais importante, nos dados. É a opinião de Marie Burgess, diretora sênior de gestão de produtos da Aderant. Em suma, os advogados utilizarão o poder dos dados para orientar suas decisões. O potencial inclui, além disso, antecipar quais clientes podem ser bons pagadores.

4. O mercado jurídico não mais ficará limitado por restrições geográficas

De acordo com Frank Strong, fundador da Sword and the Script Media, dois tipos de escritórios de advocacia vão emergir em 2021: aqueles que lutam para voltar ao que antes era normal e aqueles que abraçam a mudança de forma permanente. O segundo modelo, em especial, contribuirá para criar um mercado de talentos livre de restrições geográficas.

5. O bem-estar mental será prioridade nos escritórios de advocacia

A pandemia revelou que o bem-estar físico e emocional de todos nós pode ser frágil. Tal pauta, que já era relevante, tomou proporções maiores por conta da crise de COVID-19. Conforme Renee Branson, diretora da RB Consulting, os escritórios de advocacia investirão cada vez mais em recursos que mantenham seus funcionários física e mentalmente sãos.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Siga-me, então, no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Estamos próximos da era da vigilância subcutânea, adverte Yuval Harari

Próximo

Veículos autônomos: de quem é a responsabilidade em caso de acidente?