O que é o Legal Hackers e como este movimento está impactando o Brasil

Quem se interessa por inovação jurídica provavelmente já ouviu falar do movimento Legal Hackers. Fundada em 2012, a iniciativa reúne advogados, designers, tecnólogos e acadêmicos ao redor do globo para desenvolver soluções criativas aos problemas do universo jurídico, além de discutir questões relevantes que conectam o Direito, a tecnologia e a sociedade.

O começo do movimento

O Legal Hackers começou no Brooklyn, em Nova York, como forma de pressionar o Congresso a rejeitar o Stop Online Piracy Act (SOPA) e o Protect IP Act (PIPA), propostas legislativas que ameaçavam a liberdade na Internet. Enquanto manifestantes protestavam contra as leis, um grupo de estudantes organizava um encontro que inauguraria um audacioso movimento global.

Com objetivo de construir ferramentas para antecipar cenários e resolver os problemas jurídico-políticos da cidade, alunos da Brooklyn Law School planejaram o primeiro Legal Hackathon. O sucesso do evento foi tamanho que os jovens logo formaram uma comunidade – inicialmente chamada de NY Legal Hackers – focada em “hackear” as propostas legislativas.

Legal Hackers 01
O Legal Hackers começou no Brooklyn, em Nova York

Desde abril de 2012, quando o primeiro Legal Hackathon foi realizado, o movimento não parou de crescer. De Nova York para o resto do mundo, o Legal Hackers se espalhou rapidamente. Aliás, nem mesmo os próprios fundadores imaginaram que uma iniciativa informal e despretensiosa fosse capaz de se disseminar ao redor do mundo em tão pouco tempo.

É provável que você goste:

Como Dubai está imaginando os tribunais do futuro

Capítulos de um grande livro

Em suma, o Legal Hackers é uma comunidade organizada em “capítulos” (chapters). Cada cidade que decide abrigar o movimento inaugura um novo capítulo. E cada capítulo conta uma história diferente de um enorme livro aberto. Só para ilustrar: o movimento global está representado por mais de 160 cidades, espalhadas em seis continentes.

Qualquer lugar do mundo é bem-vindo para inaugurar um capítulo, e o Brasil recentemente acolheu o movimento. O capítulo brasileiro do Legal Hackers foi instaurado em setembro de 2017, em Natal (RN). Em segundo lugar, foi a vez de São Paulo (SP). Hoje, o movimento global tem representação em 14 estados, contando com mais de 60 pessoas envolvidas.

Legal Hackers no Brasil

Há poucos dias conversei com o Victor Maranhão, um dos responsáveis por inaugurar o capítulo em Natal (RN), e ele me relatou que o Legal Hackers está crescendo muito no Brasil. Enquanto conversava com ele, perguntei os motivos que o levaram a trazer a iniciativa para o País. Em síntese, eis a resposta que ele me deu, e que agora compartilho com você, leitor(a):

A pergunta que nos move, desde os primeiros capítulos fundados em Natal e São Paulo, passando pela rápida expansão no Brasil, e em todas as nossas atividades é: como aproveitar as ferramentas e o éthos colaborativo e aberto de outras comunidades, especialmente a tecnológica, para explorar soluções e discutir questões relevantes na interseção do Direito, Tecnologia e Sociedade, onde um apoie à evolução do outro, e promover uma verdadeira Cultura aberta para o Direito?

Membros dos capítulos brasileiros têm realizado eventos para construir soluções tecnológicas e aprimorar o acesso à justiça, além de estimular debates sobre o futuro do Direito. Você é bem-vindo(a) a participar do Legal Hackers. Enfim, consulte se sua cidade já tem um capítulo próprio ou inaugure você mesmo uma nova etapa desse incrível movimento global.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no Facebook, Instagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Visual Law: o que você precisa saber

Próximo

3 episódios de podcasts para entender a Advocacia 4.0