Singapura aposta em programas governamentais para inovar o setor jurídico

O governo de Singapura tem lançado diversas iniciativas para incentivar a comunidade jurídica a adotar novas tecnologias. O número de programas governamentais vem crescendo desde 2019, quando foi fundada a Asia-Pacific Legal Innovation and Technology Association (ALITA), associação sem fins lucrativos formada por mais de dez nações.

Singapura aposta em programas governamentais

Em 2019, o governo de Singapura lançou um programa para estimular os escritórios de advocacia a adotarem novas tecnologias em suas rotinas. A iniciativa, realizada conjuntamente com a Law Society e outras organizações, contou com um subsídio total de US$ 3,68 milhões. Tudo para fomentar a inovação no mercado jurídico singapuriano.

Diante dos resultados positivos, não só o programa foi estendido até janeiro de 2021, como o financiamento aumento em 80%. Mas as iniciativas, aliás, não param por aí. Em outubro, a cidade-estado lançará um programa para ajudar os escritórios de advocacia a atualizarem suas plataformas tecnológicas, mantendo-os digitalmente ativos.

É provável que você goste:

Singapura aposta em tecnologia para transformar o setor jurídico

Investimentos em tecnologias jurídicas

Além disso, o governo de Singapura também lançou uma aceleradora focada em startups jurídicas. O projeto, batizado de Global Legal Innovation and Digital Entrepreneurship (GLIDE) e integrante do programa governamental Future Law Innovation, busca, em síntese, impulsionar a inovação e incentivar a adoção de tecnologias no setor jurídico.

O governo também concedeu um aporte de US$ 15 milhões à Singapore Management University (SMU), para a construção de um centro de pesquisa. Em suma, a iniciativa desenvolverá novas tecnologias para o setor jurídico, para tornar Singapura uma “força regional e global para pesquisa e inovação educacional na interseção entre Direito e Tecnologia.”

programas governamentais 01
A equipe da SMU que ficará encarregada da pesquisa

Singapura foi recentemente eleita como um dos principais mercados emergentes de tecnologia jurídica. O apoio e incentivo do governo da cidade-estado vêm capturando a atenção de players do mundo todo. Não à toa, aliás, especialistas enxergam no Sudeste Asiático – e, por extensão, na região da Ásia-Pacífico – um solo fértil para empreendedores e investidores.


Quer estar por dentro de tudo que envolve Direito, inovação e novas tecnologias?

Então, siga-me no FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe conteúdos diários para se manter atualizado.

Bernardo de Azevedo

Advogado, empreendedor, professor e pesquisador de novas tecnologias. Acredita no poder da informação como forma de incentivar as pessoas a promover mudanças.

Anterior

Como se preparar para o mercado jurídico do futuro

Próximo

Utah e Arizona autorizam não advogados a prestarem serviços jurídicos